Especial: A Equipe do Blog comenta: Mamma Mia: Lá Vamos Nós de Novo (2018, de Ol Parker)


Mamma Mia! Lá Vamos Nós de Novo, mais conhecido como Mamma Mia! 2, é um musical de comédia romântica, escrito e dirigido por Ol Parker. É a continuação do filme Mamma Mia! O Filme, de 2008, que foi baseado numa peça de mesmo nome, de Phyllida Lloyd (crítica aqui). Este segundo filme contará a história de Donna Sheridan chegando na ilha de Kalokairi, e mostrará como conheceu os três possíveis pais de Sophie, que foram os três amores de sua vida. Em paralelo a estes flashbacks, veremos os nossos personagens já conhecidos do primeiro filme, interpretados pelos mesmos atores e atrizes, e como amadureceram e seguiram lidando com as felicidades e tristezas da vida. Confira abaixo as nossas opiniões:

João França comenta:

Musical é um dos gêneros do cinema mais difíceis de se avaliar. Você pode ter um filme ruim (que não encanta pela música, nem pela história e tem elementos técnicos fracos); pode ter um filme com uma energia contagiante, mas sem elementos técnicos de fato relevantes; ou pode ter um filme que é um verdadeiro suprassumo, aliando técnica e energia, fazendo você lembrar deste filme por muito tempo. Chicago e La La Land, por exemplo, se encaixam nesta última categoria (para citar só os mais recentes). Mamma Mia, no entanto, apesar de não ser um filme de técnica e roteiro refinados, diverte na medida certa (ou seja, dá vontade de cantar e dançar junto em cada ato musical), e mesmo 10 anos depois, ainda é uma das referências modernas para o gênero. 

Neste contexto, Mamma Mia: Lá Vamos Nós de Novo, é um filme menos especial que o primeiro no quesito de empatia com o público pelas músicas, mas, tem um roteiro que ajuda mais a navegar na história e cantarolar as quase sempre desconhecidas (do grande público) canções desta continuação, aliado a uma fotografia tão bela quanto a do primeiro filme, e beneficiado por um diretor que soube organizar tudo isso, a ponto das 2 horas de projeção serem o suficiente para contar uma história com muitas idas e vindas, mas sem dar impressão de cansaço ou deixar lacunas. Phyllida Lloyd que me desculpe, mas Ol Parker já havia ganhado minha simpatia em Imagine Eu e Você, e aqui ele ganha meu coração.


O cenário continua sendo a mesma afrodisíaca ilha na Grécia do primeiro filme, mas, agora alternamos entre o tempo atual, e flashbacks de Donna jovem (Lily James, que verdade seja dita, por mais que Meryl Streep faça falta a qualquer projeto, esta esbanja espontaneidade e de fato capturou o que é ser Donna Sheridan quando começou a cantar com suas duas grandes amigas - vividas, sem o mesmo vigor que Lily dá a Donna, mas muito bem representadas  por Jessica Keenan Wynn e Alexa Davies -) e decidiu se aventurar na Grécia, conhecendo e tendo três casos rápidos com Harry (Hugo Skinner), Sam (Jeremy Irvine) e Bill (Josh Dylan). Além da grata surpresa dos novatos no projeto, temos a sempre especial presença dos veteranos, e não há como não rasgar seda para Meryl Streep. É incrível em como com uma cena ela nos faz querer chorar e abraçar nossas mães/filhos. Chato repetir sempre, mas, é de fato, uma atriz diferenciada.


Existem diversas pontes entre o primeiro e o segundo filme. Algumas referências são sutis, como trejeitos de alguns personagens, chegando até mesmo na evolução do filme - não existe possibilidade de não comparar The Winner Takes It All com My Love, My Life, seja pelo momento em que a música aparece no filme, seja por Donna estar cantando com alguém/para alguém que ama, num momento que precede paz/alegria. Por fim, não há como não deixar de mencionar a presença de Cher no longa. A atriz/cantora (apenas 3 anos mais velha que Meryl, bom que se diga), se apropria de Fernando, fazendo um dos números musicais mais deliciosos do filme, e que rendeu elogios (Bjorn Ulvaeus e Benny Andersson, membros do ABBA elogiaram a roupagem que Cher deu a Fernando) e recordes (Fernando estreou na 22ª posição da parada Adult Contemporany da Bilboard, dando a ela o título de artista feminina mais velha a ter uma música no ranking). Mais incrível que isso só terem a maravilhosa sacada de Andy Garcia ser o Fernando.


Helen Santos comenta:

Ver no cinema a continuação de um dos meus filmes preferidos foi, sem dúvidas, inexplicável! A única coisa que me deixou chateada, foi terem lidado com a "ausência" de Donna (Meryl Streep) de uma forma tão fria, sem muito carinho para um filme que é tão amor! Em contrapartida, a aparição dela no final com certeza fechou o filme com chave de ouro! 


Por não termos Meryl Streep ao longo de todo o filme, isso faz com que o primeiro continue sendo meu preferido, mas não posso dizer que Lily James  não surpreendeu e/ou não conseguiu carregar o papel de Donna quando jovem com maestria, pois interpretou muito bem até os trejeitos que Maryl tinha dado a personagem. As outras personagens, tantos as novas quanto as do primeiro filme, continuam incríveis, parece que o tempo não passou, pois a química de todos surpreendentemente continua a mesma! 


O enredo, embora fosse muito óbvio nesse segundo filme, funcionou super bem e conseguiu harmonizar de forma coerente o presente com os flashbacks, além do soundtrack da parte musical também. Aqui, na continuação, embora não tenhamos reviravoltas ou grandes clímaces, o filme vai muito além de esse "suspense cinematográfico", enaltecendo o amadurecimento dos personagens, o amor familiar, e mais do que tudo, a saudade. Mamma Mia! Lá Vamos Nós Outra Vez, que deu um show, literalmente, em todos os aspectos técnicos, veio para emocionar com essa linda homenagem ao primeiro filme, que é tão querido por todos.


Título Original: Mamma Mia! Here We Go Again

Direção: Ol Parker

Elenco: Amanda Seyfried, Meryl Streep, Pierce Brosnan, Colin Firth, Stellan Skarsgard, Cristine Baranski, Julie Walters, Dominic Cooper, Rachel McDowall, Ashley Liley, Lily James, Cher, Jeremy Irvini, Hugh Skinner, Alexa Davies, Jessia Keenan Wynn, Andy García, Panos Mouzourakis, Naoko Mori, Omid Djalili, Gerard Monaco, Celia Imrie, Josh Dylan e mais. 

Sinopse: Ao descobrir que está grávida, Sophie (Amanda Seyfried) busca inspiração para a maternidade lembrando do passado da mãe (Meryl Streep). Nos anos 70, a jovem Donna (Lily James) viveu muitas aventuras com seu grupo musical Donna & The Dynamo, em parceria com suas amigas Tanya (Jessica Keenan Wynn) e Rosie (Alexa Davies). Porém, mais do que isso, Donna se apaixonou e viveu relacionamentos intensos com três homens diferentes: Harry (Hugh Skinner), Sam (Jeremy Irvine) e Bill (Josh Dylan).

Trailer:

Obrigada pela leitura e não deixe de nos contar aqui nos comentários o que você acha dessa sequência!

João França

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário