Ginny & Georgia e... Taylor Swift?


Com uma lista de sucessos como Stranger Things, Dark e La Casa de Papel, a Netflix adicionou no último dia 24/02 a série Ginny & Georgia ao catálogo e a produção já vem dando o que falar. Em apenas dois dias alcançou o pódio de série mais assistida nos Estados Unidos e ainda foi alvo de críticas nas redes sociais por piada com a cantora Taylor Swift, em meio a outras referências à cultura pop.

A mais direta alusão já tem início na temática da produção, assemelhando-se muito a querida Gilmore Girls — a qual chega a citar diretamente — por retratar a história de uma mãe jovem, solteira e de mente aberta, com uma filha adolescente extremamente inteligente e responsável em meio a uma cidade pequena. No entanto, se Lorelai (Lauren Graham) e Rory (Alexis Bledel) tem uma ótima relação de amizade, o mesmo não ocorre com Georgia (Brianne Howey) e Ginny (Antonia Gentry) — que parece ter um sentimento de repulsa por tudo que a lembre da mãe. Um outro ponto de divergência entre as narrativas se dá pelo fato de Ginny não ser filha única, possuindo um irmão mais novo, Austin (Diesel La Torraca), a quem trata praticamente como filho.


Tocando em diversas pautas extremamente relevantes, como racismo, xenofobia, assédio sexual, machismo, desigualdade social, bullying, sexualidade e até mesmo legalidade da maconha, a série tinha todas as oportunidades de trazer críticas contundentes de modo inteligente e divertido, como faz Sex Education — também da Netflix. O problema, no entanto, reside em os roteiristas parecerem se perder no que querem de fato dizer com essas pautas levantadas e para onde pretendem levar a série, resultando muitas vezes em questionamentos com grande potencial sendo completamente abandonados logo após serem trazidos à tona pelas personagens.

Esse fenômeno se torna ainda mais visível quando analisadas as personagens adolescentes da produção, sendo retratadas de forma tão cartunesca que se tornam praticamente planas, sem nenhum ponto de identificação com o público. Até mesmo Ginny, da metade da temporada em diante, parece se resumir a odiar tudo que diz respeito a mãe e ir contra qualquer coisa que esta fale ou faça. A impressão que fica é de mais uma produção em que os responsáveis se esqueceram completamente como é ser adolescente e resolveram, para se relacionar com esse público, "salpicar" referências pop como Harry Potter, Friends e O Iluminado e trazer elementos de outras séries, como as brigas fora de controle das mães de Big Little Lies e a dança para expurgar os sentimentos ruins das personagens, presente em Grey's Anatomy.


E foi em consequência de suas alusões constantes a elementos da cultura adolescente e jovem adulta que a discussão acerca da vida amorosa da cantora Taylor Swift veio à tona. Ao longo da série outras artistas foram citadas de forma pejorativa, e ironicamente 
— mas não surpreendente — todas mulheres. Momentos como "ui, vamos dizer que ela é instável, vai ficar com a reputação da Bella Thorne" ou ainda Max (Sara Waisglass) chegando bêbada em casa e Marcus (Felix Mallard) dizendo que precisa cuidar "da Lindsay Lohan" levam o espectador a se questionar como uma série que se propunha empoderadora, questionadora e inclusive se compara a Gilmore Girls traz comentários diminuindo tanto mulheres por questões que não deveriam ser definidoras de caráter.

Em outras circunstâncias, a fala de Ginny para a mãe sobre "você troca de homens mais rápido do que a Taylor Swift" não incomodaria tanto não fosse esse um tema delicado não apenas para a cantora, que vê sua vida amorosa sendo tópico recorrente de comentários maliciosos, como às próprias mulheres, enfrentando diariamente um julgamento com dois pesos e duas medidas por parte da sociedade que vê mulheres como Georgia e Taylor como motivo de piadas e repulsa e homens na mesma situação como fator de orgulho e virilidade.


Em resposta ao comentário sobre seus relacionamentos, Taylor tweetou "Ei, Ginny & Georgia, 2010 ligou e quer a sua piada preguiçosa e profundamente machista de volta. Que tal pararmos de degradar mulheres que trabalham duro ao definir essa merda como sendo 'eNgRaÇaDa'. Aliás, Netflix, depois de Miss Americana, essa roupa não fica boa em você.💔Feliz Mês da História das Mulheres, eu acho". Fãs apoiaram a cantora nos comentários e subiram a tag "respect Taylor" (respeite a Taylor).

 

 Até a metade do mês de março, três semanas após sua estreia, a série ainda se mantinha no top 10 da plataforma de streaming, mas nem tudo são flores. Acusada pelo comentário extremamente machista, a produção ainda enfrenta polêmica envolvendo sua abordagem racial. Isso porque uma cena em questão, entre Hunter (Mason Temple) e Ginny foi recriminada por ressaltar os estereótipos raciais tão enraizados na sociedade — principalmente ao se considerar que produções como Ginny e Georgia e a trilogia Para Todos os Garotos destacarem personagens birraciais criados apenas por seus pais brancos, sendo o outro sempre morto ou ausente.

Com esses fatores levados em conta, muito se tem argumentado sobre um possível cancelamento da série, que ainda não teve a segunda temporada confirmada pela Netflix


Título Original: Ginny & Georgia

Direção: Anya Adams, Catalina Aguilar Mastretta, Renuka Jeyapalan, Sudz Sutherland e Aleysa Young (2 episódios cada).

Episódios: 10

Duração: 45 min aproximadamente

Elenco: Brianne Howey, Antonia Gentry, Diesel La Torraca, Jennifer Robertson, Felix Mallard, Sara Waisglass, Scott Porter, Raymond Ablack, Mason Temple, Katie Douglas, Chelsea Clark, Dan Beirne e Nikki Roumel.

Sinopse: Ginny Miller (Antonia Gentry) é uma jovem de 15 anos que não se encaixa no perfil comum da sua idade, principalmente quando se compara à alegre e despojada mãe, Georgia (Bianne Howey), de quem a menina se acha bem mais madura. Georgia teve a filha com a mesma idade que esta tem agora, precisando passar por situações de extrema dificuldade para sobreviver como mãe solteira e dar à filha as oportunidades que nunca teve. Agora, após a repentina morte do marido, ela resolve se mudar com a filha e o caçula Austin (Diesel La Torraca) para o interior do Massachusetts e recomeçar a vida. Quando ambas parecem finalmente estar conquistando seu espaço na pequena cidade, a ex-esposa do falecido marido de Georgia promete não deixar o passado para trás quando manda um detetive atrás dela para descobrir qualquer segredo que a impeça de herdar o dinheiro e ter sua tão esperada estabilidade. 

Trailer:


O que achou da série? Deixa aí nos comentários sua opinião sobre a polêmica com a cantora Taylor Swift e as causas raciais e se espera uma segunda temporada ou Ginny & Georgia é mais uma vítima dos cancelamentos em série da plataforma? 🙊


Nenhum comentário:

Postar um comentário