Análise do Episódio 9 de WandaVision: O Final

 

Na última sexta, a primeira série do Marvel Studios e exclusivo do streaming Disney+, WandaVision, terminou, junto com todos os seus mistérios e segredos. Surpreendendo alguns e decepcionando outros, a trama envolvendo a realidade romântica de Wanda Maximoff e seu amado Visão entregou uma trama ambiciosa, apostando em novas narrativas metalinguísticas sobre a história da televisão e dando um aprofundamento da figura de Wanda e ao mesmo tempo expandindo a mitologia da personagem, onde finalmente vimos ela se tornar a tal figura poderosa na qual ela é conhecida nos quadrinhos.

Nós realizamos uma série de matérias semanais analisando episódio por episódio, onde tentamos desvendar segredos obscuros nas referências de seriados antigos, aos quadrinhos e até mesmo fatos marcantes do MCU. Caso queira ver os andamentos dos nossos raciocínios, confira aqui o texto do primeiro e segundo episódio, do terceiro, do quarto, do quinto, do sexto, do sétimo e do oitavo episódio da série.

Agora vamos reparar o que aconteceu de relevante no episódio final, entender o que certas cenas significam, e como o seriado deixa pontas soltas para o futuro do MCU.

Agora acomode-se, pois vamos analisar o episódio final de WandaVision!

Atenção: Spoilers do final da série!


Muitos comentaram negativamente no início da série que a produção não continha ação e sim muita comédia, e pelo que pudemos ver nesse novo episódio, a espera desses fãs exigentes foi recompensada. O grande final de WandaVision já abre com cenas de lutas, onde temos o tão esperado embate de magia entre Wanda Maximoff e Agatha Harkness, além do confronto entre os dois Visões, o da realidade de Wanda e o branco ressuscitado pela S.W.O.R.D.

Já é possível classificar coisas que podemos reparar que naturalmente a série construiu ao longo de suas semanas de exibição, o que foi revelado no seu final é que a grande vilã na série é simplesmente a Agatha Harkness querendo o poder da Wanda para si só, e não estava aliada de nenhuma entidade maligna poderosa, como o tão especulado pelos fãs da Marvel, Mephisto, algo que deve ter frustrado muitos.

Além disso outro mistério que estava intrigando era o tal marido de Agnes que era mencionado por ela constantemente, onde vemos que era apenas a identidade verdadeira do falso Pietro, um ator modesto chamado Ralph Bohmer. Além disso o fato de ser o ator Evan Peters, que interpretou o herói Mercúrio na franquia finada dos X-Mens da antiga Fox, não bastou apenas de ser um easter-egg de franquias diferentes, além de ser uma brincadeira dos produtores e roteiristas da série, e não o início da mistura de universos diferentes.

Por mais que muitas coisas que foram especuladas nas últimas semanas, tanto aqui nas matérias do MVDC ou nas redes sociais, não tenham dado em nada, isso não quer dizer que o episódio final foi fraco de acontecimentos incríveis, longe disso. Podemos ver nos embates dos heróis que muitos acontecimentos marcantes que ocorreram, que vão impactar no futuro do MCU.

A primeira cena que recebeu um destaque surpreendente é o embate dos dois Visões, o da realidade de Wanda e o Branco ressuscitado pela S.W.O.R.D., eles naturalmente possuem o embate de poderes de super força, capacidade de serem intangíveis, voo e de raios de energia, mas o destaque mesmo foi para o embate filosófico que ambos têm nos momentos finais da luta.

Muito coerente com a identidade e personalidade dos quadrinhos, o Visão da realidade de Wanda utiliza um conceito filosófico conhecido como o Paradoxo do Barco de Teseu para derrotar o Visão branco. Essa é uma discussão proposta pelo filósofo grego Plutarco baseado na famosa história mitológica de Teseu e Minotauro, centrada no famoso barco que levava os atenienses para a ilha de Creta para serem devorados pelo monstro Minotauro. Resumindo em poucas palavras, o paradoxo estipula que quando mais você troca as peças nesse barco, com a intenção de deixá-lo intacto e bem cuidado, o barco pode até parecer novo e bonito, mas o questionamento é: com o tanto de peças que você trocou nesse barco, ele é o mesmo barco que foi feito a milhares de anos atrás?

Esse paradoxo serve para ilustrar a eterna discussão existencialista de como fica o estado natural e puro do ser humano quando ele entra em contato com o mundo e com a sociedade, afinal de contas, todos nós mudamos conforme a nossa vida segue, fazemos coisas boas e ruins sempre, podemos cometer erros e acertos quando bem entendermos, mas por mais que você mude, sua mente passa por pensamentos novos e antigos. Então, você acha que a sua verdadeira natureza é aquela em que você foi criada e influenciada ou é aquela de quando você realmente planejou e começou a viver?

É um debate muito profundo e foi muito bem colocado na série, onde ambos os Visões tem esse debate sobre o que é ser o verdadeiro Visão, esse diálogo lembrou as famosas histórias do escritor de ficção científica Isaac Asimov, conhecido por utilizar as figuras do robôs para criar debates sobre a condição da existência humana, onde os seus personagens se libertavam da condição de apenas obedecer o ser humano, e mesmo com as leis da robótica freando os seus impulsos violentos e rebeldes, tentavam alcançar algo próximo da existência humana.

O que foi visto na série, foi o próprio Visão conseguindo derrubar o controle da S.W.O.R.D. sobre o Visão branco, e ao conseguir isso ele consegue reativar as memórias dele, onde vemos os flashbacks da vida do Visão, como o seu nascimento, a sua luta contra o Ultron, o seu carinho pela a Wanda e até sua morte causada pelo Thanos. Com a sua mente libertada, ele foge, deixando uma porta aberta a possibilidades no futuro do MCU.

E falando em possibilidades, no embate de Wanda e Agatha já podemos receber mais informações que foram especuladas, como por exemplo, o livro mágico que foi visto no final do episódio 7 é de fato o DarkHold, o livro dos condenados, onde Agatha revela a natureza real de Wanda, onde vemos que ela é a Feiticeira Escarlate, um tipo de feiticeira que não precisa de coven, nem encantamento e que é forjada para destruir o mundo pela alta quantidade de magia concentrada dentro de si.

Mesmo Wanda negando a natureza dela, Agatha até consegue manipular ela despertando os habitantes da cidade dos poderes de Wanda, e mostrando que o mundo sempre temerá figuras de altos poderes. O confronto das duas são escalonados quando a Agatha realmente tenta sugar os poderes de Wanda, isso já puxa para um acontecimento que já foi levantado nos comercias das semanas passadas, em especial no do episódio 6, o do iogurte, pois o que vemos lá é o que realmente a Agatha queria com Wanda, já que Wanda tomada pela depressão (menino isolado na ilha com fome) descobriu o poder que havia dentro de si e que o tal tubarão que ofereceu o iogurte, na qual o menino solitário tentava abrir e acabava morrendo de fome pelo esforço, no caso a Agatha oferecia esforços para Wanda usar toda a capacidade da suas habilidades com a magia e não se importava se ela poderia ficar fraca ou morrer.

É o que vemos acontecer com Wanda quando ela joga toda a sua força para Agatha, podemos até ver ela com um visual assustador de energia vital sugada. Mas surpreendendo todos, eram truques para a Wanda liberar as runas e assim trapacear Agatha e finalmente liberar a sua real natureza mágica, onde assim nasce finalmente no MCU, a Feiticeira Escarlate.

Em vez de vermos Wanda simplesmente destruindo Agatha, ela faz algo que realmente é necessário, colocando-a na figura controlada de Agnes, ela está enclausurada na figura fofoqueira que ela mesma se colocou para se aproximar, com a chance dela ser libertada no futuro caso ela precise dos conhecimentos delas.

No geral o caos é controlado, com a ajuda de Monica Rambeau e dos filhos de Wanda, Billy e Tommy, a unidade da S.W.O.R.D. chefiadas por Heyward, e já podemos ver, mesmo que singelos, os seus poderes em ação, e a fortes chances de vermos em combates maiores nas produções futuras do MCU. E com ajuda de Darcy e a equipe do FBI chefiada pelo Agente Woo, o diretor mau caráter Heyward finalmente paga pelos seus crimes.

Porém nada disso é comparado ao que vemos no encerramento do arco da Wanda. Ao longo do seriado descobrirmos que ela criou essa realidade para esconder a dor da solidão que ela sentia depois dos eventos da batalha final contra o Thanos, porém após entender mais sobre si mesma e confrontar os seus próprios demônios, ela enfim supera o luto e seu sofrimento, e nada é mais simbólico que o feitiço do HEX se desfazendo e ela despedindo de sua família que ela tanto amou na sua jornada na série.

Primeiro com os filhos, mesmo não vendo eles se desfazendo, pois na batalha vemos que tantos os filhos e o Visão não podem existir enquanto a realidade entorno de WestView estiver ativada, ela agradece o carinho das crianças por eles terem escolhido ela como mãe. Chegamos enfim na despedida final, com Visão da realidade da Wanda descobrindo o que ele é de fato: mais do que apenas uma anomalia da realidade de Wanda, tanto o Visão quantos as crianças são frutos do poder da Joia da Mente que vive dentro de Wanda, ou nas palavras dela: o sofrimento, a esperança e principalmente o amor que vive dentro dela. Com uma montagem bonita através das eras televisivas que ambos passaram ao longo do seriado, o grande amor da Wanda se desfaz em energia e a realidade enfim é desfeita para sempre.

A cena final do seriado é com a Wanda finalmente se despedindo de WestView, mesmo com todos os habitantes da cidade tendo um olhar frio e até raivoso nessas pessoas que ela utilizou como escravos da realidade. Wanda ainda consegue ter um diálogo de reconciliação com Monica, que por mais que elas tinham se desentendido, elas agora entendem as dores uma das outra, e se despendem. Assim, Wanda assume a identidade de Feiticeira Escarlate, prometendo entender de fato o que é o seu poder, e abandona a cidade. Termina assim WandaVision.


Porém nenhuma produção da Marvel se encerra sem suas icônicas cenas pós-créditos, e duas delas são muito importantes para o futuro do MCU:

1° cena: vemos a Monica e Woo organizando a bagunça da batalha final em WestView, e ela é contatada por uma agente que solicita um momento a sós com Monica, e dentro de um cinema descobrimos que essa agente é uma Skrull! E que um “amigo” da mãe dela solicita a participação dela no espaço! Já é possível debater que essa cena já planeja terreno para duas produções:

        - Para Capitã Marvel 2 – vemos na série as origens dos poderes de Monica e muito do que ocorreu depois dos eventos do filme estrelado por Brie Larson, como a morte da Maria Rambeau e a fundação da S.W.O.R.D., já é terreno preparado para o futuro traçado para a Vingadora Cósmica, que em breve pode ganhar mais uma colaboração de uma heroína, ninguém menos que Kamala Khan, já que sua éerie está sendo filmada e promete chegar no final do ano.

        - Para Invasão Secreta - relembrando a cena pós-crédito de Homem-Aranha: Longe de Casa, Nick Fury e os Skrulls estão planejando operações numa estação espacial, que muitos especulam que é o primeiro passo para os acontecimentos para a grande invasão da raça Skrull na terra que será retratada na futura série do Disney+, se o tal amigo da mãe de Monica for mesmo Nick Fury, ela pode ter algum papel na trama da invasão.


2° cena: a cena em questão mostra um cenário montanhoso pacífico e calmo, e uma cabana onde está Wanda comtemplando a vista, mas que na realidade é somente seu corpo físico agindo por si próprio, pois a cena revela que a forma astral da Wanda como Feiticeira Escarlate está estudando o Darkhold, ouvindo gritos de seus filhos pedindo socorro. A principal aposta da continuidade dessa série é a mais óbvia:

        - Doutor Estranho: No Multiverso da Loucura: mesmo não tendo a tal fragmentação do Multiverso que era esperado pelos fãs, o seriado estabeleceu que Wanda é mais poderosa que o Doutor Estranho e que seu nível de poder é alto e perigoso, e agora tendo consciência de que é uma feiticeira escarlate e de seu poder, ela agora testará os seus limites, e que tem consciência de que alguma forma os seus filhos, que podem ter sobrevivido a queda do HEX, estão em perigo, pode ser a teoria que Wanda pode abrir a porta para a distorção do Multiverso para salvar os seus filhos, atraindo alguma entidade maligna que o Doutor Estranho irá enfrentar e que deseja o poder destrutivo de Wanda.

E com isso a série WandaVision chega ao final, junto com a nossa análise semanal. O seriado pode não ter entregado coisas grandiosas, como a aparição do Mephisto, a fragmentação do Multiverso, entrada dos mutantes ou até mesmo aparições surpresas da tão sonhada nova versão do Quarteto Fantástico.

Porém o seriado cumpriu o seu papel de entregar um novo lado da personagem Wanda, mostrando o real lado sentimental dela e até mesmo expandindo a natureza dos seus poderes, vendo o real potencial dela manifestando enfim a magia obscura e poderosa que a personagem é conhecida, e ao mesmo tempo deu possibilidades do Marvel Studios explorar novas formas e novas técnicas que vão além da tradicional “formula Marvel” e principalmente provando que é possível manter a qualidade cinematográfica agora num formato de série televisiva.

Agora só resta aguardar a continuação dessa história no futuro, principalmente em Doutor Estranho 2, enquanto isso o cronograma de lançamentos da Marvel segue com a próxima série do Disney+, que será a trama focada em espionagem e ação com Falcão e Soldado Invernal e, dependendo do controle da pandemia, em breve tendo o lançamento do esperado filme da querida espiã Viúva Negra.

Obrigado por nos acompanhar e continuem conosco para nossa cobertura das futuras produções da Marvel!

O que achou das nossas matérias semanais? O que achou do final da série? Qual é próximo passo para os poderes de Wanda?

Escreva um comentário! Siga-nos em nossas redes sociais! E confira o nosso site para maiores novidades!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário