Crítica: Black Box (2020, de Emmanuel Olsei-Kuffor)

 

*Matéria escrita por Natália Rosso

O filme Black Box, longa de estreia do diretor Emmanuel Osei-Kuffor, é um dos quatro filmes pertencentes ao projeto Welcome to BlumHouse, lançado pelo serviço de streaming Amazon Prime Video. Contando a história de Nolan (Mamodou Athie), um homem que perdeu a esposa e a memória em um grave acidente, este é um filme que aborda os mistérios da mente humana na mesma intensidade em que critica os malefícios provindos do mau uso da tecnologia.  

Já iniciamos o filme com a sensação de agonia transmitida pelo protagonista, que está passando por um período de luto ao mesmo tempo em que tenta tomar conta da filha - tudo isso sem ter controle de suas próprias memórias. Desesperado por uma cura, ele acaba por participar de um tratamento experimental da Doutora Lilian Brooks (Phylicia Rashad), onde, com o uso de hipnose, começa a acessar algumas lembranças reprimidas. 

Para a criação da atmosfera de confusão e suspense do filme, a direção de arte e a fotografia cumprem um papel fundamental, diferenciando o que se passa dentro da cabeça do protagonista e o que se passa na “vida real”, através da paleta e temperatura de cor. Isso acaba criando, de certa forma, duas subtramas ao decorrer do longa, e é quando essas duas perspectivas se unem que o brilhante trabalho dos atores se revela. Nolan e Doutora Brooks foram interpretados com excelência, deixando à mostra a evolução dos personagens e todas as suas nuances. 

 A crescente inquietação resulta em um plot twist ao estilo de Corra! (2017), A Chave Mestra (2005) e os episódios de Black Mirror (2011-2019). A grande revelação, porém,  não se desenrola  no final do filme, mas sim antes dos trinta minutos finais - uma escolha ousada dos roteiristas e da direção, pois o fechamento da história se estende e a tarefa de manter a tensão e o interesse na trama fica mais difícil. É aí que o filme perde um pouco do seu ritmo e encanto, oferecendo um final que não se aproveitou da boa construção de thriller psicológico feita até então. 

Apesar de estender seu desfecho sem necessidade, Black Box é um bom suspense que levanta questionamentos sobre ética, amor e relações familiares, ideal para quem gosta do gênero e quer passar o tempo com uma história interessante - com o bônus de conhecer o trabalho de atores excelentes e um novo diretor com talento o suficiente para surpreender ainda mais futuramente. 


Título Original: Black Box

Direção: Emmanuel Osei-Kuffour

Duração: 100 minutos

Elenco: Mamoudou Athie, Phylicia Rashad, Amanda Christine, Tosin Morohunfola e Troy James

Sinopse: Fazendo parte da antologia Welcome to the Blumhouse, Caixa Preta é a história de um homem lutando para recuperar sua memória após sobreviver a um trágico acidente de carro. Desesperado para tê-la de volta, ele recebe um tratamento experimental que o ajuda a sondar um passado que de repente parece sombrio demais para ser seu.

Trailer:

E você, curtiu o filme? Fala pra gente!

Nenhum comentário:

Postar um comentário