Crítica: Primos (2019, de Thiago Cazado)

 


Primos é um filme nacional com temática LGBTQIA+, dirigido e escrito por Thiago Cazado que mescla entre o gênero de comédia, drama e claro, romance.
A história traz tia Lurdes (Juliana Zancanaro) e Lucas (Paulo Souza), moradores de uma cidade do interior participantes ativamente de uma comunidade religiosa. 

Lucas (Paulo Souza), ajuda a tia a promover encontros religiosos em sua casa tocando cânticos bíblicos em seu teclado. A reviravolta na trama se dá quando a tia Lurdes anuncia a chegada de seu outro sobrinho, que está vindo de um presídio, Mário (Thiago Cazado), ou seja, primo de Lucas (Paulo Souza).

Apesar de apresentar um começo quase puxado ao humor pastelão, aquele presente na maioria dos filmes nacionais, o longa começa trazer maior fluidez e seriedade com a chegada de Mário (Thiago Cazado) e é interessante ver a dinâmica que os atores principais apresentam em cena. O tom mais humorístico passa a ser comandado pelo personagem de Thiago Cazado.

A dicotomia da realidade dos primos pode trazer cenas embaraçosas, mas o roteiro consegue nos levar a uma crescente aproximação e consequentemente a paixão que começa a fluir entre eles.

Lucas (Paulo Souza) é um sobrinho que vive desde pequeno com sua tia religiosa,
porém ainda assim é possível ver que apesar da fervorosidade religiosa de sua tia, o menino tem suas próprias liberdades, caracterizadas pelo seu próprio estilo que podemos ver pelo uso de alargadores, tatuagens... Isso mostra o quanto a sua tia pode ser empática nessa nova relação que está surgindo entre os primos.

Antes da chegada de Mário, é claro que é mostrado um Lucas mais reservado, apesar do seu estilo. Mário traz um Lucas que não tem medo de mostrar quem realmente é, que arrisca, que demonstra o seu amor, e que sai daquele arquétipo do jovem religioso, tímido, e temente a Deus.

Vale dizer que a fotografia tem nuances incríveis que não foram muito bem
aproveitadas. Acredito que as cenas fora de casa poderiam ser bem mais trabalhadas, pois aí demonstraria um cenário mais vivo, como a cena dos dois repartindo o bolo, ou quando vão tomar banho no riacho ali perto.

Também temos que trazer a personagem de Eduarda Esteves, Júlia, uma jovem que faz parte da comunidade religiosa e mostra certo interesse "romântico", mais para o sexual, por Lucas, contratando até aulas particulares para ficar mais perto do meninos, a cena dos dois pode chegar a ser desconfortável, pois Júlia por ter essa "paixão", digamos que até excessiva, por Lucas, gera momentos de abusos, que mesmo mesclados e "disfarçados" com um tom humorístico, me fez contorcer na cadeira. Acredito que essas cenas poderiam ser levadas mais a sério, e trazer como critica a abusos e conscientização, mas o roteiro me pareceu não querer aprofundar sobre esse assunto e até tratá-lo como descartável.


Apesar disso o roteiro é bem encaixado e simples, e com uma atuação fluida, tem a capacidade de nos fazer apegar aos personagens nos primeiros minutos de filme e entender bem a dinâmica proposta.

O final nos mostra bem como tia Lurdes apesar de religiosa, compreende as nuances da humanidade e aceitá-las, sem preconceito, e com delicadeza e carinho. 

O filme, apesar de ter aspectos dramáticos, apresenta o tema com leveza, e podemos dizer até com pureza e ingenuidade. É claro que é abordado preconceitos, medos e aflições, mas não com tanta complexidade ou perversidade que muitas vezes a vida real possa nos trazer.


Título Original: Primos

Direção: Thiago Cazado

Duração: 82 min

Elenco: Thiago Cazado, Paulo Sousa, Juliana Zancanaro, Denis Camargo, Eduarda Esteves, Carmem Lutcha

Sinopse: O jovem Lucas (Paulo Sousa) vive com a religiosa tia Lourdes (Juliana Zancanaro) em uma pacata cidade do interior. Ele ajuda a tia a promover os cultos com as beatas da região, na sala de casa, tocando cânticos bíblicos no teclado. Esta vida pouco agitada estará com os dias contados a partir do momento em que a caridosa tia comunica a chegada de mais um sobrinho, Mário (Thiago Cazado), recém saído da cadeia. O choque de realidade entre os primos acaba rendendo não só situações pra lá de inusitadas, como também uma inesperada atração entre os rapazes.

Trailer:

E o que vocês acharam do filme? Gostam da temática LGBTQIA+? Conte-nos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário