Crítica: Você Tem Olhos Tristes (2020, de Diogo Leite)


O caixote térmico vermelho tingiu São Paulo. Com o aplicativo na mão e a bicicleta alugada, são muitos os que enfrentam a cidade e suas bestas. Não bastasse a condição precária e o pagamento baixo, é parte do retrato do trabalhador a colisão com muitas facetas do racismo. 

O curta acompanha a jornada de Luan, interpretado por Daniel Veiga, ator trans que excede os limites da tela ao se formar tão representável. Filmado em dezembro de 2019, o diretor, muito provavelmente, não poderia imaginar a relevância em abordar a opressão que acontece em vários níveis de convivência. 

 

O retrato urbano do brasileiro, no curta, é marcado por pessoas brancas e intolerantes que, com descaso, não são capazes de enxergar a humanidade existente nos profissionais de entrega. Uma bela surpresa, inclusive, é o cômico e bem desenvolvido papel do crítico de cinema e escritor Jean-Claude Bernadet, que vive um senhor que, ao ameaçá-lo fisicamente, ocasiona a sua suspensão no aplicativo. 



Luan ainda tem sua existência posta em cheque em um encontro afetivo. Ao jantar com sua namorada e tia, da mesa convidativa se ouve crescer o discurso de uma classe média que, mascarada por um falso ideal de bondade e de equidade, profere o discurso chulo de bem estar social: “ela é quase da família”; “até se senta na mesa com a gente” e “me arruma um do bom, verdinho”. Luan, categórico, cresce no papel e responde com convicção: “eu não fumo”. 

 

Os filmes são obras de arte e, até os fantasiosos, retratos do nosso tempo. Existem estórias por detrás da vontade de comer. Você Tem Olhos Tristes resgata uma delas, que ressoa em muitas. 




Título Original: Você tem olhos tristes

Direção: Diogo Leite

Duração: 18 min

Elenco: Daniel Veiga, Gilda Nomacce, Jean Claude Bernardet, Giovanni Gallo, Larissa Ballarotti, Carol Oliveira

SinopseLuan trabalha como bikeboy de aplicativo e enfrenta dilemas e preconceitos na sua jornada diária de entregas em uma cidade grande. Sem hesitar, sonha com um futuro melhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário