Crítica: One Punch Man - 2ª temporada (2019, Shingo Natsume)


Publicado a princípio no formado de webcomic em 2009, One Punch Man ganhou sua adaptação para a TV seis anos depois. Devido ao sucesso, a segunda temporada foi confirmada no ano seguinte, mas só foi lançada três anos depois, em 2019, após uma troca de estúdio e de diretor.

A primeira temporada do anime acaba sem dar tantas pistas a respeito do que vem a seguir. Por ser uma série curta e de comédia, qualquer informação é um spoiler ao mesmo tempo em que nada parece ser um grande spoiler. De qualquer forma, a base da história continua sendo a mesma: Saitama treinou por três anos para se tornar um herói imbatível, agora vive frustrado porque derruba todos os seus inimigos com apenas um soco.

Acontece que personagens mega poderosos não fazem história sozinhos, porque, bom, não teria história. Sendo assim, Saitama desaparece um pouco nessa temporada, dando aos outros heróis um espaço para brilhar – ou para quase morrerem até sua chegada. Além da Associação de Heróis, que nunca reconhece os feitos de Saitama, temos também a presença da Associação de Monstros, que tentam ganhar algum espaço na superfície.


Essa briga entre heróis e monstros é o que move One Punch Man. Embora ainda tenhamos uma grande variedade de vilões, somos apresentados a Garou, o principal da temporada, quase um Saitama do mal. Por mais que eu nunca seja do tipo que torce para os vilões, passamos tanto tempo conhecendo a vida de Garou que em algumas partes eu só torcia para ele sair vivo. A construção das personagens, mesmo as mais superficiais, são muito interessantes na história, porque os criadores se atentam às características dadas a cada um e eles nunca tomam uma decisão que nos faz pensar que não é típico da personagem.

Por mais que os acontecimentos pareçam um tanto quanto preestabelecidos – afinal, se Saitama aparecer o tempo todo, ele só vai dar um soco em todo mundo e acabou o seriado –, são as cenas que nós já esperamos que nos empolgam e nos fazem ver o anime com tanta atenção. O objetivo principal de One Punch Man é te fazer rir não só com piadas, mas também com base nos clichês apresentados por outros animes shōnen.



Outras personagens que merecem algum destaque nessa temporada são Genos, o discípulo de Saitama que está níveis acima dele na Associação de Heróis; King, que desfila com o título de herói classe S – a mais alta – sem merecê-lo; e Speed-O'-Sound Sonic, que só aparece na tentativa de destruir Saitama, seguindo os acontecimentos da temporada anterior. Todos os momentos que essas três personagens aparecem são hilários, principalmente contracenando com Saitama, e por mais que essa temporada seja mais fraca que a anterior, eles fazem valer a pena.

Enquanto a primeira temporada serviu para nos apresentar as personagens e nos fazer entender o real poder de Saitama com diversos monstros sem conexão, na segunda tentam traçar um objetivo só, e isso faz com que, de certa forma, a série se torne menos empolgante. É como se o brilho do anime tivesse apagado um pouco, mesmo ainda sendo muito bom. Pode ser o costume ou talvez a falta de inovação, mas, se formos comparar, a temporada anterior foi bem mais interessante do que essa.

A opening, dessa vez, é um pouco mais puxada para a comédia, o que faz perder um pouco a graça. A primeira tinha um tom extremamente sério, nada a ver com o tom do anime, e isso a deixava divertida. Essa mudança não faz, porém, com que essa abertura seja ruim, só diferente do esperado.


Acredito que One Punch Man é considerado um anime incrível por beirar o bizarro. Ele está aqui para ser sem noção, e querer dar o mínimo de noção que seja para ele é condená-lo ao fracasso. Espero que nas próximas temporadas continuem explorando esse viés do absurdo, porque assim conseguirão criar uma narrativa cada vez mais fantástica, engraçada e que prende os espectadores. E tomara que a terceira temporada chegue logo, porque da primeira para a segunda foram quatro anos de diferença.

One Punch Man é um anime fácil de assistir, tanto por ser leve e engraçado quanto por ter apenas 12 episódios cada temporada – e, além disso, ele só possui duas temporadas até o momento. Apesar disso, não sei se seria a melhor porta de entrada para quem nunca assistiu anime algum, visto que a pessoa perderia a razão da graça de cenas que ridicularizam outros shōnen. Ainda assim, é um anime que eu recomendo para todos que querem ver algo que foge um pouco do normal. Mesmo a segunda temporada sendo um pouco mais fraca, tudo o que eu digo é: vai com tudo – ao menos que você odeie esperar por um final.



Título Original: One-Punch Man

Direção: Shingo Natsume

Episódios: 12

Duração: 23 minutos

Elenco: Kaito Ishikawa, Makoto Furukawa, Akihisa Wakayama, Aoi Yuki, Hikaru Midorikawa, Hiroki Yasumoto, Kaito Takeda, Masaya Onosaka, Saori Hayami, Soshiro Hori, Taito Ban, Takahiro Yamaguchi, Wataru Hatano, Yuki Kaji, Yuuichi Nakamura, entre outros.

Sinopse: A história desenrola-se à volta de um herói que treinou tão duramente que o seu cabelo caiu e que consegue ultrapassar qualquer adversário com apenas um murro. No entanto como ele é tão forte, ficou frustrado por ganhar as batalhas tão facilmente.

Trailer:


Já viu o anime? Deixe seu comentário dizendo o que achou!

Nenhum comentário:

Postar um comentário