Crítica: Little Fires Everywhere (2020, de Liz Tigelaar)


Quando o destino da família de Elena Richardson (Reese Witherspoon) se entrelaça com Mia Warren (Kerry Washington), dilemas de maternidade e racismo são postos à prova (de fogo). Baseada no best-seller da autora Celeste Ng, Little Fires Everywhere estreou em março pela plataforma Hulu e chegou ao acervo da Amazon Prime. 

O sucesso estrondoso de Big Little Lies (HBO) tornou-se um forte aliado no processo de adaptação de best-sellers em minisséries. Reese Witherspoon, que também protagoniza as duas temporadas de Big Little Lies, se une à Kerry Washington também na produção da trama. 

A família aparentemente perfeita dos Richardson se revira quando o seu eixo central, a mãe controladora Elena, aluga uma casa para Mia e sua filha. A cidade de Shaker Heights, Ohio é o cenário da trama: um local que se orgulha da realização do sonho americano, onde a oportunidade é garantida diante do mérito e a expressão da ordem deve ser mantida até na ordenação da grama do jardim. 

Mia e sua filha Pearl (Lexi Underwood) chegam na pacata cidade depois de mais uma mudança, algo recorrente em suas vidas. Mia aluga uma casa pertencente à Elena, jornalista e mãe de quatro filhos. O relacionamento de Mia e Pearl com os integrantes da família levanta, principalmente, as manifestações do racismo velado por detrás da benevolência da branquitude.
 
Kerry Washington e Lu Huang

O início da série apresenta a casa dos Richardson em chamas. O incêndio é contido por bombeiros que alegam o uso de acelerantes, causando pequenos incêndios por toda parte. A alegoria do incêndio guia o roteiro – que poderia ser mais enxuto – ao revelar, ao longo da trama, os lugares de desconforto de todos os personagens. 

Flashbacks sustentam a narrativa de Little Fires Everywhere, mas o acontecimento principal data de 1997. A nostalgia da década parece ser pouco explorada e embora possamos compreender que as discussões sobre a voz das minorias tenham avançado, a trama revela que problemáticas como a apropriação e o racismo estrutural permanecem semelhantes. No entanto, a série escapa de uma discussão mais profunda: os diversos temas são atribuídos aos personagens que, apesar da atuação consistente, não tem sua profundidade explorada. 

Elena trabalha em um jornal de pouco prestígio e é mãe de quatro filhos. Para a sociedade, é uma típica cidadã de bem, preocupada com o entorno e constantemente elogiada por sua bondade. A atuação de Reese Witherspoon, centrada em uma mãe branca de classe média/alta é recorrente em outros papéis da atriz, mas o trunfo de Little Fires Everywhere é a premissa de que, em uma sociedade racista, as boas intenções escondem uma autopromoção ou pior, a apropriação do discurso do oprimido para a glória do opressor. 

Megan Stott
Um ponto positivo do show é a escalação do elenco. Os personagens oscilam entre boas e más escolhas sem uma dicotomia clara entre “bem e mal”. Os adolescentes são condizentes com a idade apresentada e, em um episódio de flashback, a série nos presenteia com a presença de Tiffany Boone e AnnaSophia Robb como uma versão mais jovem das protagonistas. A performance mais convincente é, sem dúvidas, a de Reese Witherspoon. 

Assim como nos incêndios, pequenas chamas podem acarretar em um grande estrago. O efeito dos conflitos individuais no coletivo é o que torna Little Fires Everywhere tão interessante. Faltou à série, no entanto, assumir os riscos de atingir queimaduras mais profundas. 



Título Original: Little Fires Everywhere

Direção: Liz Tigelaar

Episódios: 08

Duração: 60 minutos

Elenco: Reese Witherspoon, Kerry Washington, Joshua Jackson, Rosemarie DeWitt, Jade Pettyjohn

Sinopse: Em Little Fires Everywhere, um encontro entre duas famílias completamente diferentes vai afetar a vida de todos. A dona de casa perfeita Elena Richardson (Reese Witherspoon) aluga a casa de hóspedes à Mia Warren (Kerry Washington), uma artista solteira e enigmática que se muda para Shaker Heights com sua filha adolescente. Em pouco tempo, as duas se tornam mais do que meras inquilinas: todos os quatro filhos da família Richardson se encantam com as novas moradoras de Shaker. Porém, Mia carrega um passado misterioso e um desprezo pelo status quo que ameaça desestruturar uma comunidade tão cuidadosamente ordenada.


Trailer:




Little Fires Everywhere é uma ótima opção para maratona na quarentena! Queremos saber o que você achou, comente aqui e nas redes sociais :)

Iago Rezende

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário