Resgate e a nova onda de filmes de ação (2020, de Sam Hargrave)



Quando os coordenadores de dublês em filmes de ação, Chad Stahelski e David Leitch, dirigiram o primeiro John Wick, esse gênero começou a entregar obras que ainda apresentam os velhos clichês, mas com uma estética mais apurada e principalmente, sequências de ação bem orquestradas, muito próximas de uma dança, algo similar ao cinema indonésio (como os dois Operação Invasão). Seguindo este estilo, a franquia John Wick e o ótimo Atômica começam então a dar frutos. Um deles é este aqui: Resgate traz Chris Hemsworth em sequências de tirar o fôlego, dirigidas por Sam Hargrave, coordenador de dublês da Marvel. Falando em Marvel, o longa também é produzido pelos irmãos Russo, dos últimos Vingadores. Entendeu a relação dos filmes que eu fiz? Os caras que fazem a ação de verdade (dublês) assumindo o controle (direção) dos filmes do gênero, entregando fitas eficientes. 


Mas calma, Resgate não é nenhuma obra-prima. O roteiro é um fiapo de clichês, conhecemos muito pouco sobre quem é o herói e o que ele quer da vida. Na verdade, o pouco que vemos é que ele está perdido. Alguns coadjuvantes, embora não tão bem desenvolvidos, têm momentos dramáticos interessantes, especialmente o jovem que é a missão do herói; e os vilões, bem interessantes e sutilmente ambíguos (gostaria de ter visto mais deles, muito bem atuados). Então a pouca trama serve apenas para colocar as peças no meio do fogo cruzado, para daí, brilhar o foco do filme: a pancadaria. 

Antes de adentrar nela, também deve-se criticar alguns efeitos de CGI de helicópteros e vistas aéreas, onde nota-se visivelmente o limite do orçamento. A trilha sonora é clichê e pouco empolga, aquela típica de heroísmo americano. Aliás, esse é o maior defeito do longa, a mesma tecla já batida sobre o mercenário/soldado branco e americano salvando o dia. Se você ignorar um pouco essas repetições que tantos e tantos filmes de ação possuem, poderá se divertir. Vamos à diversão?


É na construção gradativa da tensão nas cenas de ação, com tomadas longas em que o perigo cada vez vai ficando mais próximo, que Sam Hargrave se destaca. Ele traz sua experiência com direção de dublês para trazer belas sequências de luta e tiroteio. E quando falo em belas, a intenção é essa mesmo, fazer o grotesco parecer belo na câmera, fazer golpes mortais fluírem como uma dança, o choque e a arte se encontrando em nome do show e do entretenimento. O cinema asiático, seja o kung fu na China ou o silat na Indonésia, traz essa beleza na desenvoltura dos golpes. Mas no cinema moderno isso ficou aliado à uma violência mais explícita e pesada. Como referência cito novamente Operação Invasão


O que os dublês do cinema norte-americano estão fazendo desde John Wick é trazer esta "pegada", porém um pouco mais adaptada ao estilo ocidental. E é nesse meio que se encontra Resgate. O filme ainda não traz o mesmo choque que alguns filmes asiáticos recentes, mas entrega algo acima da média para o "cinemão de macho" americano. Com uns certos cuidados aqui e ali, esses  têm sido filmes de "macho" menos tóxicos, por assim dizer. É um Rambo mais enxuto e elegante, mas também é mais ousado e eletrizante. Essa é a proposta do longa e nisso acerta em cheio. 

Outrora um ator fraco, Chris Hemsworth vem melhorando muito desde Thor Ragnarok (2017), seja por papéis mais divertidos, seja por desempenhos mais carrancudos. Embora não desenvolvido pelo roteiro, ao menos ele entrega uma performance sólida como um misterioso e violento anti-herói. O longa ainda traz a participação do sempre competente David Harbour (Stranger Things). Para finalizar, existem alguns longos planos-sequência excelentes, cuja direção e montagem enganam bem nossos olhos, além de ferverem a adrenalina e tirarem nosso fôlego. Para esse nicho de filme, está bom! E pelo jeito teremos continuações. Só tomara que desenvolvam um roteiro melhor, mais complexo e ambíguo, com menos heroísmos americanos e personagens mais sujos e imperfeitos, bem ao estilo de John Wick


Título Original: Extraction

Direção: Sam Hargrave

Duração: 116 minutos

Elenco: Chris Hemsworth, Rudhraksh Jaiswal, Randeep Hooda, Golshifteh Farahani, David Harbour.

Sinopse: A difícil missão deste mercenário vira uma transformadora luta pela vida quando ele é enviado a Bangladesh para resgatar o filho sequestrado de um chefão do crime.

Trailer:


Já assistiu ao mais novo sucesso da Netflix?

Nenhum comentário:

Postar um comentário