Crítica: Office (2015, de Hong Won-chan)


Office marca o debute de Hong Won-chan na direção cinematográfica. Won-chan, que já havia escrito roteiros como o de The Chaser – premia o espectador com um terror psicológico que permeia questões sociais trabalhistas modernas e seus impactos. 

No enredo, Kim Byung-guk volta para sua casa depois de um dia de trabalho. Utilizando um martelo como arma, ele mata a toda sua família. No dia seguinte, a trama passa a acompanhar Lee Mi-rae, uma estagiária da mesma empresa que Kim frequentava e a única pessoa próxima a ele dentro do escritório; por isso mesmo, ela se mostra impactada com a notícia de que Byung-guk é o principal suspeito do crime. A polícia interroga os funcionários e, não só Mi-rae, como várias pessoas das que ali trabalham, admitem que Byung-guk era uma boa pessoa e um bom funcionário.

O filme estabelece, então, seu primeiro paradoxo-questionamento, uma vez que o espectador vai sendo introduzido a Byung-guk  que pouco aparece de forma física – como alguém "excluído", um indivíduo com quem poucos ou até mesmo ninguém gosta de "se sentar junto". Ao mesmo tempo em que esses mesmos colegas de trabalho, proferem palavras positivas sobre Byung-guk e afirmam com certeza que ele é uma boa pessoa; alguém que jamais seria capaz de cometer um crime horripilante como o ocorrido. 

  

De forma clara, o filme serve ao cinema de gênero, – com um plano de fundo sobrenatural  bem como traz uma análise do sistema social trabalhista – especialmente na cultura sul-coreana – mas também nas relações trabalhistas modernas, de uma forma que é possível lê-las de modo universal. Os chefes que pressionam seus funcionários e os funcionários veteranos que demonstram superioridade com os estagiários. A cobrança para ter um emprego a qualquer custo. Os abusos de poder. Lee Mi-rae aguenta o bullying de seus colegas calada, para se manter na sua posição de trabalho, mesmo não sendo valorizada por seus feitos. É por esse motivo que simpatizamos, ou pelo menos compreendemos a protagonista/vilã que foge dos estereótipos.




A atmosfera sonora do longa é impecável. A construção do suspense muitas vezes se dá pela presença dos silêncios alternados com um design de som de roer as unhas. O ambiente visual do escritório é claustrofóbico: funcionários lado a lado, separados apenas por cubículos cinzas. Hong Won-chan constrói o suspense em detalhes: diálogos sugestivos de algo está por vir, o som e o visual do escritório, que pela fotografia – dirigida por Park Yong-su - com luzes mais pontuais nos momentos corretos, sugere um local obscuro e misterioso, propício para que algo aterrorizante aconteça.


As atuações são um ponto altíssimo do filme, com um inevitável destaque para Ko A-sung, que dá uma curva muito bem trabalhada para a "revelação" gradual de sua personagem, Lee Mi-rae. O diretor, também, transforma figuras potencialmente comuns em personagens únicos e envolventes.

Apesar de alguns desfechos do filme serem um pouco previsíveis, ele nunca perde o ritmo. Com a palavra "desfechos", aponta-se para as ações das personagens que parecem estar latentes a todo momento e que basta um "empurrãozinho" para que aconteça um desastre. Mas o filme utiliza isso a seu favor, tornando-se um dos grandes acertos da obra: esse momento de catástrofe latente pode ser a qualquer hora; o espectador está sempre em alerta, pois o ápice está sempre por vir. 

Reflexão com spoiler: 

Ao final, seriam Kim Byung-guk e Lee Mi-rae pessoas com histórias semelhantes que levam ao mesmo ponto; dois indivíduos que transformaram-se no mesmo "símbolo"; ou seriam eles a mesma pessoa?

Pessoalmente, pelos simbolismos do filme, tudo leva a crer que eles são pessoas diferentes, todavia, pelo que são e representam, não importa o que fizessem, seriam sempre julgados com os mesmos olhos de indiferença. O filme termina com Lee Mi-rae conseguindo uma nova entrevista de emprego, mesmo depois de tudo que ela foi capaz de fazer. Isto é, depois que Mi-rae passou a enxergar seus colegas de trabalho como "presas" – como sempre foi o "predador" mercado de trabalho  ela também tornou-se parte disso. 


Título Original: 오피스 (Opiseu) 

Direção: Hong Won-chan

Duração: 111 min

Elenco: Ko A-sung, Bae Seong-woo, Kim Eui-sung, Lee Chae-eun, Park Sung-woong, Ryu Hyun-kyung e outros.


Sinopse: Depois de um gerente de vendas assassinar brutalmente sua família, as pistas levam a misteriosos e catastróficos acontecimentos dentro do escritório de ritmo sobrecarregado em que o homem trabalhava. 


Trailer:

Não deixe de conferir! Depois conte para nós o que achou. :)

Amanda Dionigi

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário