Crítica: O Chamado da Floresta (2020, de Chris Sanders)

Resultado de imagem para o chamado da floresta elenco

Considerado um verdadeiro clássico da literatura americana, o livro O Chamado da Floresta de Jack London é uma típica história sobre a conexão com a natureza e seu estado primitivo. Obra que inclusive foi adaptada inúmeras vezes no cinema, desde os primórdios do cinema mudo, e até mesmo tendo uma adaptação nos anos 70's tendo o astro Charlton Heston com grande destaque, e agora ela acaba de receber uma nova adaptação para a nova geração, sendo lançado pela 20th Century Studios, antiga 20th Century Fox com o nome mudado pelo novo comando vindo da Disney e sendo dirigida pelo veterano na animação Chris Sanders, sendo o seu primeiro filme live-action.

Para quem não conhece a história original, o filme se passa no final do século XIX e narra a história de Buck, um cão doméstico amável, porém mimado, que acaba sendo sequestrado por contrabandistas e é levado para o extremo norte no Alasca e é vendido para os homens que partiram para esse local em busca do ouro recém descoberto no local. Com isso Buck, passando por diferentes mestres, precisa reencontrar com seu lado primitivo e natural para sobreviver e sentir quem ele realmente é por dentro.

Normalmente filmes que demonstram um cão como protagonista caem em armadilhas emocionais que buscam apenas emocionar o expectador em momentos específicos, porém a direção de Sanders opta mais para um caminho de aventura e de senso de descoberta ao novo mundo, visto sobre os olhos do protagonista canino.

Resultado de imagem para the call of the wild 2020

Uma discussão que tem se falado desde o lançamento do trailer dessa produção foi a questão de optar em colocar um cão digital como protagonista, e é bem notório que a impressão do cão e os outros animais é visualmente estranha, o que pode levar certos espectadores a se afasta da produção e terem dificuldade de se adentrar na história. Já aqueles que puderem ultrapassar o limite do “vale da estranheza” (denominação usada na indústria de efeitos especiais para se definir se um personagem criado por computador consegue se passar como algo real o suficiente), podem se captar pelo carisma e personalidade de Buck.

Outra questão referente ao efeitos especiais que merece um comentário em torno é a escolha de botar expressões não realistas em seus animais digitais, tendo até aparência quase “cartunesca” alguns momentos. Algo que possa ser explicado pela direção de Sanders, afinal, como já foi mencionada esse é o seu primeiro filme com atores e efeitos especiais, cujo o histórico de trabalho está mais relacionado a animação, tendo co-dirigido longas animados de sucesso como Lilo & Stich e o primeiro Como Treinar o seu Dragão.

Resultado de imagem para the call of the wild movie

A proposta de colocar elementos voltados a animação num ambiente filmado com atores em si cria uma sensação de que o filme em exibição é uma animação filmada, como esse live-actions lançado pela Disney nos últimos anos. O filme coloca essa em execução ao meio termo, se por um lado pode agradar pela personalidade atraente de seu protagonista, os exigentes podem reclamar pela confusão do que é realidade aceitável no filme e o que não é.

Com um espírito que respeita o seu material original, cujo o roteiro de Michael Green é muito singelo em sua proposta de adaptar, é bem adequada com o senso de ritmo e andamento na trama e carregado ao lado do protagonista, se cria assim um filme muito mais tido como um passatempo épico com uma escala controlada, visto num trabalho de fotografia muito forte vindo do notório Janusz Kamiski, grande diretor de fotografia, que captura uma grandiosidade na cenas na floresta, semelhante ao filmes como O Regresso, mas não é um trabalho marcante em sua longa carreira.

Resultado de imagem para the call of the wild movie

Além de obter essa opção de personagens digitais, o longa ainda possui um elenco de atores muito notório do cinema de entretenimento, que demonstram estar à vontade aos seus papeis e a direção de Sanders conduz a isso, como por exemplo a inclusão de Omar Sy, o carismático ator francês que faz o típico personagem que ele gosta de interpretar, ou até mesmo Dan Stevens fazendo um vilão canastrão que infelizmente não é tão aprofundado, mas a execução em sua atuação compensa. Além de obter participações pequenas e pontuais de atrizes notórias como a Karen Gilian e Cara Gee, que infelizmente não possuem tanto espaço de tela.

O destaque do elenco fica exclusivamente para Harrison Ford, que demonstra em sua atuação uma entrega e carinho pelo material original, que pode ganhar o coração do espectador e garantir o peso emocional que a trama pede sem soar um sentimentalismo barato que muito das produções nesse gênero optam.

Ao final das contas, a nova adaptação O Chamado da Floresta é uma aventura que consegue cativar o espectador mais casual ao cinema, pode ser muito bem uma opção para se assistir em família, cujo o ritmo é bem controlado para se acompanhar ao longo de sua uma hora e quarenta minutos de exibição, garantindo um engajamento para o público se importar com os personagens e suas histórias, as decisões técnicas alguns momentos podem soar meio contraditórias para sua execução, porém Sanders que tem como histórico de se criar histórias relacionáveis, demonstra a possibilidade de ter sido mais uma grande adição nas constantes adaptações na obra de Jack Landon. Talvez se optasse para um caminho mais direto sendo um filme de animação, o distanciamento não ocorreria e ainda assim transmitiria para o grande público muito mais a essa história que é tão lendária para a literatura americana.


Título Original: The Call of the Wild

Direção: Chris Sanders

Duração: 1 hora e 40 minutos

Elenco: Harrison Ford, Karen Gilligan, Omar Sy, Dan Stevens, Cara Gee

Sinopse: Um cão doméstico é sequestrado por contrabandistas e é mandado para um ambiente desconhecido no extremo norte no Alasca, e tendo que sobreviver, ele deve encontrar com o seu lado primitivo para encontrar seu lugar no mundo.

Trailer:


O que achou da nossa crítica? Conhecia essa história? Escreva um comentário! Siga-nos na redes sociais! E confira mais conteúdo no nosso site!!!

Ettore R. Migliorança

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário