Crítica: Deixe a Neve Cair (2019, de Luke Snellin)


Quando filmes ou séries são baseados em livros, é comum que os fãs da obra original reclamem da adaptação por não ter sido tão fiel quanto esperavam, e por vezes essas reações podem ser exageradas. Por outras, não. Baseado no livro homônimo de John Green, Lauren Myracle e Maureen Johnson, Deixe a Neve Cair é um exemplo de adaptação mal feita, que não funciona nem comparada ao livro e nem como filme por si só.

Na véspera de Natal, uma nevasca atinge uma cidadezinha e muda os planos da população local, mas, diferente do que parece, a neve nem sempre torna as coisas ruins – às vezes ela pode nos mostrar que o amor está onde menos esperamos. Essa é a proposta apresentada pelo filme, e, a partir disso, seguimos a vida de pelo menos oito adolescentes frustrados com suas vidas amorosas, suas amizades e seus planos para uma das festividades mais aguardadas do ano.

Tobin está apaixonado por Angie, sua melhor amiga, e há algum tempo planeja abrir seu coração para ela. Com o incentivo de seu amigo Keon, ele passa o dia criando coragem, mas as coisas se complicam quando ela o chama para a festa de JP, um cara mais velho que está afim de Angie. Nessa narrativa, Tobin se divide entre falar sobre seus sentimentos para Angie e ajudar Keon a organizar, de última hora, uma festa na Waffle House, onde trabalha.


Dorrie trabalha com Keon, mas ela tem preocupações além da festa que está para acontecer. Tegan, uma garota com quem ela saiu uma vez, está sentada em uma das mesas da Waffle House com suas amigas, todas líderes de torcida, e ela só queria achar um jeito de falar com ela a sós, já que impressioná-la na frente de seu grupo parece cada vez mais difícil. Além disso, Dorrie não sabe o que fazem em relação a sua melhor amiga, Addie, que, no meio da nevasca, está correndo de um lado para o outro atrás de seu namorado, sem saber onde ele foi parar.

Julie, por sua vez, foi aprovada na Universidade de Columbia, contudo não pensa em ir no ano seguinte. Sua mãe está doente e ela sente que precisa ficar em sua cidade natal para cuidar dela. Em um trem de volta para casa, depois de procurar por todos os cantos o presente de Natal que sua mãe queria, Julie e Stuart se esbarram. Ele é um famoso cantor de vinte anos, e poderia muito bem estar em um lugar mais privado, todavia tudo o que quer às vezes é ter uma vida normal. Quando o trem para devido a neve, os dois descem juntos e vão para o Waffle House, mas precisam fugir de lá quando as líderes de torcida o reconhecem. Assim, os dois passam uma tarde normal juntos, e ao passo em que Julie ajuda Stuart a ter um dia normal, ele a ajuda a esquecer um pouco suas preocupações.


Por ser um filme natalino sobre romance adolescente, Deixe a Neve Cair não tem como intuito ser uma obra-prima da sétima arte, portanto julgá-lo através dessas lentes é inútil. Entretanto, mesmo julgando-o através das lentes certas – ou seja, mesmo levando em consideração o seu gênero e o seu público alvo –, o filme consegue ser fraco em diversos aspectos.

Embora a sinopse diga que o filme segue três diferentes histórias, o roteiro faz parecer que estamos vendo mil diferentes perspectivas e narrativas. Nós temos Tobin apaixonado por Angie, Keon preocupado com sua festa, Tobin tentando ajudar Keon, Dorrie apaixonada por Tegan, a briga de Dorrie e Addie, Addie sendo obsessiva com seu namorado, Julie sofrendo por causa da mãe e de sua faculdade, Julie e Stuart se conhecendo e Stuart lidando com a sua fama, isso para dizer o mínimo. Além do roteiro, a montagem também faz com que as histórias fiquem confusas – tanto tempo se passa em uma perspectiva que, quando muda, nos esquecemos de que a outra ainda estava acontecendo.

A quantidade de personagens inseridas como principais faz com que, na verdade, nenhuma seja. Não nos aprofundamos o suficiente na história de qualquer uma delas ao ponto de criar um laço forte o suficiente para, no final, nos emocionarmos. Atores como Jacob Batalon (Homem-Aranha: De Volta ao Lar), Liv Hewson (Santa Clarita Diet) e Odeya Rush (Dumplin'), por exemplo, já se provaram capazes de uma boa atuação em trabalhos anteriores, mas aqui, por mais que tenham tentado, não conseguiram se destacar. O maior desperdício, contudo, é o de Joan Cusack, que interpreta uma motorista vestida com papel alumínio sem explicação aparente.


No mais, a direção de Luke Snellin não foi bem-sucedida, uma vez que o filme parece desnorteado do começo ao fim. Em relação à trilha sonora, a única música memorável – talvez por tocar tantas vezes – é First Christmas (That I Loved You), interpretada por Shameik Moore, feita especialmente para o filme. E por último, mas não menos importante, a fotografia não chama muita atenção para si, contudo não é deixada de lado o suficiente para ser simplesmente esquecida.

Sendo assim, pode-se dizer que a adaptação de Deixe a Neve Cair tinha um elenco bom o suficiente para ser um filme no mínimo interessante, mas deixa a desejar principalmente no que diz respeito à direção e ao roteiro. Muita história quer ser contada de maneira minuciosa em pouco mais de uma hora e meia de filme, e, no fim, nada é desenvolvido e nem se torna relevante, de forma que os romances, mesmo que previsíveis, pareçam ser forçados a acontecer. O casal LGBT+ parece estar lá, na maioria das vezes, apenas por estar, e é de longe o menos desenvolvido do trio, embora seja o mais interessante. A história de Julie e Stuart é uma das que mais tem tempo de tela, e por isso é mais fácil se envolver com os dois, mas há tanto que poderia ser explorado neles que só os dois dariam um filme inteiro. A bagunça da narrativa estraga qualquer mensagem que o filme queira passar, e apesar de não ser impossível de se divertir assistindo a essa adaptação, dentre a variedade que temos de filmes natalinos, podemos dizer que há coisas melhores para se ver.


Título Original: Let It Snow

Direção: Luke Snellin

Duração: 93 minutos

Elenco: Odeya Rush, Kiernan Shipka, Isabela Merced, Shameik Moore, Anna Akana, Jacob Batalon, Liv Hewson, Mitchell Hope, Matthew Noszka, Joan Cusack, entre outros.

Sinopse: Um forte nevasca atinge a cidade de Gracetown na véspera de Natal e a transforma em um inesperado refúgio romântico. Um trem retido no meio do nada, uma corrida com os amigos no frio congelante e lidar com a tristeza da perda do namorado ideal. Três histórias de amor distintas que se conectam entre si.

Trailer:

Já conferiram essa adaptação? Acompanhe-nos nas redes sociais para mais críticas e notícias!

Karoline Melo

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário