Minha Visão do Cinema indica: Filmes brasileiros imperdíveis!


Tendo em vista os constantes ataques do atual governo brasileiro à cultura e ao cinema brasileiro - inclusive, mas não apenas -, retirando os cartazes da Ancine, nós do Minha Visão do Cinema acreditamos na necessidade de se fazer resistência a essa tentativa de apagamento da nossa história compartilhando, comentando e principalmente assistindo aos filmes nacionais.

Esses filmes são nossa arte, nossa cultura, nossa história e nossa resistência. Sendo assim, preparamos uma lista com 10 indicações de filmes brasileiros para quem está a fim de mergulhar nessa cultura riquíssima que não será apagada!


Na imagem acima, cartazes de três filmes clássicos brasileiros retirados das paredes da Ancine. Respectivamente, O Bandido da Luz Vermelha, de Rogério Sganzerla, Deus e o Diabo na Terra do Sol, de Glauber Rocha, e Cabra Marcado Para Morrer, de Eduardo Coutinho.

1. A Vida Invisível (2019)


Dirigido por Karin Aïnouz e com participação especial de Fernanda Montenegro, a adaptação do livro homônimo conta a história de duas irmãs, Guida e Euridice, separadas pela vida mas para sempre unidas pela dor de ser mulher na sociedade patriarcal brasileira dos anos 1950. Corre que ainda dá tempo de assistir nos cinemas esse filmão que é um forte concorrente para o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro!

Confira a crítica completa aqui!

Nota: 10

2. Marighella (2019)


O filme dirigido por Wagner Moura ainda não estreou nos cinemas mas já deu muito o que falar. Tendo sua estreia cancelada por problemas com a Ancine, ainda não há previsão para sua chegada nas salas de cinema brasileiras. Marighella é uma adaptação da biografia do guerrilheiro morto pela ditadura militar em 1969, e conta com Seu Jorge, Adriana Esteves, Bruno Gagliasso e Luiz Carlos Vasconcellos no elenco.

3. O Som ao Redor (2012)


Do aclamado diretor de Bacurau (2019) e Aquarius (2016), Kleber Mendonça Filho, O Som ao Redor retrata o cotidiano de um grupo de moradores da zona sul de Recife que, diante do aumento da violência urbana, contratam um serviço de segurança particular para sua rua. O cineasta então se utiliza dessa situação para discutir e retratar aspectos definidores da sociedade brasileira, formando uma imagem crítica da classe média do país e explorando a fundo as relações entre patrões e empregados. É um filme não só sobre o som, mas tudo aquilo que está a nossa volta, inclusive o medo constante. Imperdível, o filme se encontra disponível na Netflix. 

Nota: 8

4. Terra em Transe (1967)


É claro que nessa lista não poderia faltar aquele que é considerado o grande nome do cinema brasileiro, Glauber Rocha. Em Terra em Transe Glauber constrói uma alegoria da conjuntura brasileira - e latino-americana - que resultou no Golpe Civil Militar de 1964. Na trama, o país fictício de Eldorado é palco de uma convulsão interna desencadeada pela incessante luta em busca do poder. Glauber e sua leitura atemporal do Brasil não poderia estar mais atual.

Nota: 9

4. Sócrates (2017)


O longa dirigido por Alexandre Moratto, tem início com a morte da mãe do protagonista Sócrates (Christian Malheiros), um garoto negro e homossexual de 15 anos, que não tem tempo de sofrer por sua perda, pois necessita buscar formas de garantir a própria sobrevivência. Ao longo do filme, acompanhamos as tentativas empreendidas pelo adolescente na busca por alimento e abrigo, além de sua resistência e força apesar de todo o sofrimento que o luto, a necessidade e a solidão lhe infligem. O filme foi produzido pelos alunos do Instituto Querô na Baixada Santista e foi premiado nacional e internacionalmente. É sensível, tocante e um soco no estômago, vale muito a pena prestigiar essa ótima produção do cinema nacional.

Confira a crítica completa aqui!

Nota: 8

Por Naiara Speretta

6. Bixa Travesty (2019)


Ainda em cartaz, o filme Bixa Travesty, dirigido por Kiko Goifman e Claudia Priscilla, conta a trajetória da cantora Linn da Quebrada. O corpo político da artista transexual negra é a força motriz desse documentário marcado por sua incessante luta contra preconceitos e pela desconstrução de estereótipos de gênero, classe e raça. Nos tempos sombrios e conservadores que vivemos, não perca a chance de assistir nos cinemas este filme que é um grito de resistência no Brasil atual.

Nota: 8

7. Espero Tua (Re)volta (2019)


O documentário dirigido por Eliza Capai faz um retrato do movimento estudantil que ganhou força desde 2015 ocupando escolas estaduais por todo o país. Com imagens de arquivo e acompanhando jovens representantes do movimento, a diretora busca compreender as ocupações e suas pautas a partir da perspectiva dos próprios estudantes. Extremamente atual, o filme traz a força dos movimentos estudantis, a violência policial, a normalização da violência e o preconceito escancarado de nossa sociedade.

Nota: 7

8. Baronesa (2017)


Baronesa, dirigido por Juliana Antunes, conta a história de duas amigas, Andreia e Leidiane, que moram na Vila Mariquinhas, um bairro periférico na zona norte de Belo Horizonte. Trata-se de um filme sobre mulheres, produzidos por mulheres, que foca justamente na representatividade de uma parcela via de regra mal representada no cinema e na sociedade brasileira. Constituído na fronteira entre ficção e documentário, o filme impressiona por sua sutileza e espontaneidade.

Nota: 8,5

9. Pixote, a lei do mais fraco (1980)


O filme de Hector Babenco, conta a saga de Pixote, uma criança abandonada que cresce nas ruas e que, para sobreviver, recorre a roubos, tráfico de drogas e diversos outros crimes, mesmo tendo apenas 11 anos. Mesmo após quase 40 anos de seu lançamento, o filme retrata uma realidade que infelizmente ainda é extremamente presente no Brasil atual. Destacando a exploração de menores no mundo do crime, faz um retrato duro e tocante da vida dessas crianças.

Nota: 9

10. Saneamento Básico, o filme (2007)


De Jorge Furtado, Saneamento Básico, o filme é uma comédia metalinguística que conta a saga de um grupo de moradores que batalham para conseguir tratamento de esgoto na vila onde moram. Porém, a única verba que a cidade dispõe deve ser destinada para a produção de um vídeo. Daí surge a mirabolante ideia de utilizar o dinheiro para realizar a obra e fazer um filme sobre a mesma. Com muito bom humor, o filme sobre um filme aproveita para fazer críticas à ignorância, à classe política e dos empreiteiros e até mesmo certos produtores cinematográficos.

Nota: 8


E aí, curtiu a lista?! Aproveita e conta pra gente qual o seu filme brasileiro preferido!

Isabella Thebas

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário