Crítica: As Golpistas (2019, de Lorene Scafaria)



As Golpistas é muito mais do que parece. À primeira vista, podemos pensar que se trata de um grupo de mulheres vivendo do seu corpo e aplicando golpes para viver, e até posso dizer que isso não está de todo errado, mas muitas coisas se desenvolvem a partir dessa simples linha de pensamento da qual vamos falar agora nessa crítica, uma surpresa muito boa e inesperada! Confira a seguir:


Preciso começar dizendo que a muito tempo o brilho de Jennifer Lopez não se destaca tanto, ela leva todo o filme nas costas e sempre chama mais atenção quando está em cena, não sendo à toa seu nome estar entre os cotados para o Oscar. Mas voltemos ao filme. Desde a quebra imobiliária de 2008 nos Estados Unidos, muitos filmes vem sendo lançados com a mesma temática, mas com diferentes olhares sobre o mesmo problema. Aqui temos a perspectiva de quatro mulheres que são strippers e que se conhecem em um clube, apesar das dificuldades enfrentadas, elas conseguiam se virar e viver sua vida até que o mercado financeiro do país afundou. 

O roteiro do filme é baseado na publicação do New York Magazine assinado por Jessica Pressler, que nos conta com detalhes como quatro mulheres foram capazes de aplicar golpes milionários em seus clientes ricos e de preferência, da Wall Street. A história é relatada por Destiny (Constance Wu) que relembra como chegou ao clube e conheceu Ramona (Jennifer Lopez), que rapidamente se tornou sua melhor amiga, dando dicas, conselhos e até ajudando emocionalmente em suas crises. O interessante é perceber como tudo foi acontecendo naturalmente, como se nada disso fosse por fim causar mal à alguém. Devo dizer que ao assistir ao filme, não senti pena nenhuma dos homens que foram enganados, muito pelo contrário. 


Não acho certo cometer crimes ou praticar golpes mas NESSE CONTEXTO apresentado pelo filme, não achei errado a atitude das garotas. Claro que tudo gera uma consequência e mesmo elas tendo aproveitado - e muito - seu momento de glória, tudo vem abaixo uma hora e isso aconteceu também, afinal somos acostumados a ver situações onde as mulheres são as vítimas e de certa forma, aqui elas também se encaixam nessa categoria, já que a maioria vive sozinha, sem família ou totalmente o oposto, onde elas são a única renda da família, então antes de julgar, precisamos saber.

Somos levados pela narrativa a entrar em seu mundo e entender a natureza machista e narcisista que corre lado a lado, como é fácil ganhar e gastar dinheiro e ao mesmo tempo não ter nada, então quando elas encontram uma "solução" para seus problemas, elas a agarram. O roteiro não opta em sensualizar demasiadamente essas mulheres, mostrando-a como objetos, mas sensibilizam o telespectador a entender suas necessidades e motivações, claro que é um filme que tem que explorar por algum lado essa sensualidade, mas não deteriora a imagem das personagens, tudo é uma troca. Seus corpos, a dança, os olhares, tem como única intenção ganhar dinheiro. Nada é para satisfazer os homens, apenas elas mesmas, eles são apenas um caminho.



Toda a história é guiada pela relação entre Ramona e Destiny, como se elas se completassem. Ramona quer ir além do que pode e do que deve, enquanto Destiny é aquela que tenta manter os pés no chão. Não sentimos que elas julguem uma a outra por suas escolhas, elas se compreendem e compreendem suas ações. Elas verdadeiramente criam um laço e é esse laço que é explorado no filme. Os golpes e os homens afetados ficam em segundo plano. O filme é sobre frustrações, irmandade, amor, amizade e claro, dinheiro. Se você estava esperando um filme focado em sexo, peito e bunda, vai perder seu tempo.



Título Original: Hustlers

Direção: Lorene Scafaria

Duração: 110 minutos

Elenco: Jennifer Lopez, Constance Wu, Julia Stiles, Keke Palmer, Lili Heinhart

Sinopse: Em entrevista concedida a Elizabeth (Julia Stiles), jornalista da New York Magazine, a ex-stripper Destiny (Constance Wu) conta em detalhes como conseguiu o emprego e conheceu Ramona (Jennifer Lopez), ícone do meio que logo se tornou sua grande amiga. Devido à crise financeira que abalou Wall Street em 2008, Destiny e Ramona viram o declínio na quantidade de clientes na boate em que trabalham afetar sua própria rentabilidade. Com isso, decidem elas mesmas iniciar um plano onde, juntamente com algumas amigas, vão atrás de homens em restaurantes para, após dopá-los, faturar em cima de seus cartões de crédito.

Trailer: 

Conta para gente o que você achou do filme!

Natália

Nada do que eu disser será verdade

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário