Critica: A Última Fortaleza (2002, de Rod Lurie)



Lançado em 2002, A Última Fortaleza é um grande estudo da diferença entre o poder e a autoridade, dois estilos completamente diferentes de liderança, que aqui são representados brilhantemente por James Gandolfini (Coronel Winter) e Robert Redford (General Irwin).

O longa conta a história do General Irwin que foi condenado à prisão por um crime de desobediência à ordens superiores, causando uma tragédia em sua última missão. Ele é levado para a Prisão Estadual do Tennessee, uma prisão para militares que é administrada pelo Coronel Winter. Aos poucos ele vai percebendo que Winter comanda a prisão utilizando-se de muita violência, inclusive com alguns homicídios, sendo sempre protegido pelos seus subordinados. Irwin então decide começar uma rebelião para tentar derrubar Winter do poder e acabar com toda a selvageria e injustiça que reina ali dentro.


A diferença entre poder e autoridade é escancarada desde o início, os detentos, os agentes e os funcionários da prisão respeitam Winter pelo medo, obedecem e seguem suas ordens por ele ser o diretor do local, ele só é líder pelo cargo que ocupa, parando para analisar mais friamente, ninguém respeita ele de verdade, obedecem apenas por temerem o que ele pode fazer caso seja contrariado.

Em contraponto a isso temos o Irwin, que um dia foi General, porém perdeu as suas patentes e os seus direitos, sendo agora somente um presidiário. Agindo sempre de forma respeitosa e honrosa, consegue rapidamente o respeito de todos os presos, ele se torna um líder não pelo cargo que ocupa, mas sim pela forma como age e trata as pessoas, dessa forma ele ganha a confiança de todos, que não hesitam em ajudá-lo no seu plano para formar uma rebelião.


Rod Lurie se beneficia do ótimo roteiro escrito por David Scarpa e Graham Yost com uma direção segura e ágil na medida certa, todo o drama em volta da violência que os presidiários sofrem é retratado de maneira fria e séria, o diretor também dirige muito bem as cenas de ação, fazendo com que o público sempre saiba o que está acontecendo.

A cinematografia de Shelly Johnson deixa a prisão com um ar pesado, as celas, o refeitório, os locais para recreação, são todos representados da maneira mais crua possível. A trilha sonora composta por Jerry Goldsmith é eficiente na maior parte do tempo, tornando-se patriota até demais no terceiro ato.


Esse problema do excesso de patriotismo infelizmente não está somente na trilha sonora, o roteiro cai no velho clichê de exaltar o patriotismo sempre que tem a chance, atrapalhando um pouco as falas e as ações de Irwin, só não atrapalha tanto porque Robert Redford é um excelente ator, que esbanja carisma com um personagem herói de guerra que conquista os outros presidiários rapidamente.

Apesar da ótima interpretação de Robert Redford, o show aqui fica por conta de James Gandolfini, o diretor da prisão Coronel Winter é cruel, impiedoso e ameaçador, sua atuação é intimidadora e realista. É triste saber que existem aos montes pessoas como ele que estão no poder, controlando e humilhando aqueles que estão abaixo de sua posição.

O elenco de apoio também é muito bom, com destaques para Clifton Collins Jr. (Ramon Aguilar), Brian Goodman (Beaupre) e Mark Ruffalo (Yates).


A Última Fortaleza é um excelente filme prisional, mesmo que sofrendo com os velhos clichês do excesso de patriotismo, tem muito a dizer sobre liderança, poder, autoridade, a diferença entre mandar e comandar, respeito e humildade.
Vale a pena conferir esta obra que envelheceu bem com o passar do tempo.


Título Original : The Last Castle

Direção: Rod Lurie

Duração: 133 minutos

Elenco: Brian Goodman, Clifton Collins, Delroy Lindo, James Gandolfini, Mark Ruffalo, Robert Redford, Robin Wright Penn

Sinopse: O general três estrelas Irwin acaba indo parar em uma prisão de segurança máxima após ser declarado culpado em corte marcial. O coronel Winter, responsável principal pela prisão, não esconde a admiração pelo seu novo "convidado", mas isso não fará com que os seus métodos tornem-se mais humanos. Irwin decide, então, com a ajuda dos outros presos, iniciar uma rebelião em massa dentro da prisão, que fica em um velho castelo.

Trailer:


Gostou da crítica? Comente aí embaixo e deixe sua opinião 😉

Pedro Blattner

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário