Crítica: O Parque dos Sonhos (2019)


Distribuído pela Paramount Pictures, Parque dos Sonhos traz, com uma estética muito colorida e alegre, a história de June, uma criança que sempre esteve ligada ao seu lado criativo.

Juntamente com sua mãe, ambas idealizam o 'Parque dos Sonhos', um lugar mágico, no qual animais falantes conduzem os visitantes humanos pelo encantador parque de diversões. Todavia, com uma doença que acomete a mãe de June, ela não vê outra saída a não ser se desligar do 'Parque dos Sonhos' e tomar as rédeas da vida real. Enquanto sua mãe deixa o lar por um tempo para se tratar, June abre mão de seu lado sonhador e, por medo, acaba desenvolvendo uma preocupação excessiva para com seu pai. O cuidado com o roteiro nesse momento é visível, o acontecimento é tratado com muita delicadeza para as crianças que assistem ao filme.


A ponte entre o real e o imaginário aparece, literalmente, quando June se depara com o 'Parque dos Sonhos' ao vivo. Quando o encontra, o local que antes era cheio de magia e alegria, está completamente defasado e ela é a única que pode salvá-lo.

Além da grande questão do filme, – trazer de volta a magia ao parque – algumas reviravoltas aparecem do meio para o final da trama e, é nisso, que o roteiro se perde um pouco, a partir do momento que apresenta problemas que parecem repetitivos ao espectador, ao mesmo tempo em que oferece algumas soluções simples para questões que visualmente são maiores.


A simbologia no longa-metragem é um ponto forte. Apesar de possuir uma trama de âmago infantil, o espectador, ainda que adulto, pode compreender a história em diferentes camadas. O parque em seu momento de "sombra", se liga diretamente a como June se sente por dentro, logo, demonstra seu medo, ou até uma depressão, decorrente da situação de incerteza que ela passa a partir do momento que sua mãe fica doente. Com toda certeza, o fato de June possuir o apoio de seus pais e amigos faz a diferença, ainda que ela seja a responsável final por redescobrir a si mesma.


Ao final, a obra apresenta uma mensagem muito positiva e universal: a valorização da imaginação, dos sonhos, dos laços construídos com a família e amigos. A necessidade de uma criança exercer suas funções criativas e de ser acolhida quando se sente perdida. Afinal, isso perpassa qualquer limitação de idade: é empatia e esperança.



Título Original: Wonder Park

Duração: 85 min

Elenco: Brianna Denski, Ken Hudson Campbell, Kenan Thompson, Ken Jeong, Mila Kunis, John Oliver, Norbert Leo Butz, Matthew Broderick, Jennifer Garner e outros

Sinopse: A sonhadora June descobre que o mágico parque de diversões que imaginou se transformou em vida real. O problema é que a magia do parque, com memoráveis atrações e animais que falam, está toda fora de sincronia. Junto com seus amigos, June embarca numa aventura para salvar o parque. 

Trailer:


E você, já assistiu a essa aventura "espetaculíssima"? Conte para a gente como foi!

Amanda Dionigi

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário