Crítica: Mandy: Sede de Vingança (2018, de Panos Cosmatos)

*contém um pequeno spoiler*

Uma filmografia psicodélica com traços de Mad Max e Hellraiser misturados. Talvez essa seja a melhor breve definição de Mandy: Sede de Vingança. Prepare a pipoca, pois essa é uma análise de uma viagem alucinógena, sem volta. Preparados?

Antes de tudo começar já temos uma bela inquietação pelas cores utilizadas, tons de roxo com azul e um vermelho bem bárbaro. Isso é bem constante, e além do visual, chama muito atenção a trilha sonora, que tem o objetivo de torpecer o telespectador. E o melhor de tudo: não compromete o ritmo da produção, muito menos a estrutura narrativa, embora seu ritmo seja bem lento na primeira metade do filme.


Na história, um casal aparentemente feliz, Mandy (Andrea Riseborough) e Red (Nicolas Cage), vivem na mais pura tranquilidade. Tudo isso muda, depois que são atacados por um grupo desconhecido contratados por uma espécie de seita religiosa. Mandy é brutalmente assassinada na frente de Red, o que ocasiona revolta. Toda ação gera uma consequência, correto? A partir dessa ação, Red parte em sua jornada vingativa.


Além das paletas de alto contraste que deixa a sensação de estarmos em um transe e hipnotizados, existe a inclusão de cenas de efeito de atraso de movimento, o que contribui demasiadamente com a sensação de estarmos alucinados.  

Mas, é na segunda metade do filme que tudo realmente começa a ficar com um toque diferenciado. Tudo isso, por consequências dos atos da primeira parte. Com um nuance de excêntrico e violento, o longa conta com uma boa atuação de Nicolas Cage que não compromete o filme, até porque não se abre muitas brechas no roteiro para isso. Sem falar que, dá a impressão de que o papel foi feito para sua pessoa. E aqueles que torcem o nariz para filmes com ele, pode ir sem medo, não sairá decepcionado.  



E toda essa reviravolta da produção não faz perder o seu brilho e muito menos o transe pertinente até aqui. Todo esse momento de ação e luta é pequeno e não estraga a experiência. Além disso, existe a inserção de animações durante o filme, que são uma analogia ao tema, porém muitas vezes elas se tornam enigmáticas, o que por um lado deixa o filme mais distinguido. Os personagens  também se destacam com suas diversidades e imprevisibilidades. 

Mandy foi com certeza uma das surpresas de 2018, por sua identidade e personalidade, e por sua excelente experiência visual e sonora com uma crítica edificante contra o fanatismo religioso e o extremismo, além da maldade humana. Dica: É um filme muito mais para sentir do que entender, então não busque tantas explicações que o filme vai se tornar bem mais notável.  



Título Original: Mandy

Direção: Panos Cosmatos

Duração: 121 minutos

Elenco: Andrea Riseborough, Linus Roache, Ned Dennehy, Nicolas Cage, Alexis Julemont, Bill Duke, Clément Baronnet, Hayley Saywell, Ivailo Dimitrov, Line Pillet, Olwen Fouere,Paul Painter, Richard Brake, Stephan Fraser. 

Sinopse: Fora do sistema por opção, Red e Mandy levam uma vida pacata e amorosa. Quando o paraíso em que vivem na floresta é brutamente destruído pelo sádico líder de um culto, Red se vê lançado em uma jornada fantasmagórica e repleta de vingança.


Trailer:

Gosta de filmes enigmáticos? O que achastes desse filme? Deixe um comentário e continue a seguir nossa programação.

Guilherme Regert

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário