Crítica: Minissérie - The ABC Murders (2018, de Alex Gabassi)





É muito difícil não fazer comparações entre dois grandes detetives da história da literatura, Sherlock Holmes, excêntrico e genial, eternizado pelas mãos de Sir. Arthur Conan Doyle e Mr. Hercule Poirot, um detetive belga muito simpático e bem diferente na forma de agir se comparado com Sherlock. Entretanto, Hercule Poirot não fica atrás no sentido inteligência e graças a Agatha Christie, seus mistérios se tornaram tão icônicos quanto a própria escritora. A BBC inclusive preza muito as obras de Agatha, tanto que já fez outras adaptações como o sucesso E Não Sobrou Nenhum, que também tem crítica, caso você se interesse. Já foram confirmadas sete histórias, onde ABC Murders era uma das primeiras escolhas. De fato esses britânicos sabem fazer uma boa série, tudo muito bem elaborado e impecável, desde as vestimentas dos atores, a forma de conversar, andar e até mesmo a ambientação não deixa a desejar em momento nenhum. Entramos de corpo e alma em 1933, junto com todos os problemas sociais e inclusive pessoais dos personagens.




Nessa minissérie em 3 capítulos, temos a notável história de Os Crimes ABC ou The ABC Murders, como queira. O livro publicado em 1936 é um dos mais famosos e conhecidos da escritora e trás a história de um assassino peculiar. Durante dias ele mantém um monologo com Poirot, dizendo passo a passo do que pretende fazer até que por fim, comete o primeiro assassinato. Porém, muita coisas mudou. A minissérie que se passa nos anos 30, tem como pano de fundo a inquietude da guerra e uma mudança radical na vida de Poirot, seus tempos de glória passaram e agora ele é apenas um detetive comum, por vezes ridicularizados por policiais mais jovens e pessoas que não acreditam em seu potencial. O que também me faz pensar em Sherlock no filme Sr. Sherlock Holmes, onde anos passaram e finalmente o tempo começa a ganhar forma, se quiser saber mais sobre o filme, temos a crítica disponível. Mas voltemos ao Poirot.



John Malkovich dá vida ao detetive e de forma quase serena e bem menos excêntrica do que nos livros, tenta desvendar esse mistério. Ele reconhece que não tem mais o mesmo peso de antes, porém não desiste de buscar justiça. Rupert Grint faz seu papel com perfeição, um jovem inspetor de polícia, que está tentando fazer nome e que se porta de maneira arrogante e fria, criando conclusões prematuras sobre os assassinatos e que se recusa a trabalhar ou escutar as ideias de Poirot, mas que acaba descobrindo ser um erro, já que os crimes continuam e ele está longe de ter uma teoria viável sobre o assassino. 

Um fato interessante e inesperado aqui é que sabemos quem é o assassino desde o primeiro ato. Porém, é como se não o conhecêssemos, já que não sabemos absolutamente nada sobre a sua vida, suas motivações e o porque ele faz o que faz. Claro que seria muito fácil taxá-lo como louco mas ao passar dos episódios, fica implícito que a verdadeira pessoa que ele quer atingir é Poirot. Descobrimos coisas nunca antes ditas sobre o detetive e que, de alguma forma, o nosso assassino sabe. Mas como? O verdadeiro mistério é esse.  

A minissérie tem um ritmo lente e contínuo, o que é um padrão nas adaptações, pode cansar um pouco a princípio mas a cada morte, o mistério aumenta, começamos a ficar tão imersos na história quanto o próprio Poirot e quando achamos que deciframos o mistério, algo novo surge e muda completamente a figura. Apesar de não ser a minha adaptação preferida, vale a pena conferir pela qualidade do elenco e da produção.



Título Original: The ABC Murders

Direção: Alex Gabassi


Episódios: 3


Duração: 60 minutos

Elenco: Andrew Buchan, Eamon Farren, Freya Mavor, John Malkovich, Tara Fitzgerald, Rupert Grint

Sinopse: Situado na década de 1930, uma época em que a Grã-Bretanha está perigosamente dividida e a suspeita e o ódio estão em ascensão, a história mostra Poirot (John Malkovich) enfrentando um serial killer conhecido apenas como A.B.C. À medida que a contagem de corpos aumenta, a única pista é uma cópia do The ABC Railway Guide em cada cena do crime. As investigações de Poirot são continuamente frustradas por um inimigo determinado a ser mais esperto do que ele.




TRAILER:

Natália Vieira

Gosto de filmes e sou viciada em séries e música boa. Não tem muito o que dizer depois disso.

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário