Crítica: Demolidor - 3ª Temporada (2018, de Alex Garcia Lopez e outros)


A terceira temporada se consolida como a queridinha da Netflix e, em meio a cancelamentos como Luke Cage e o decepcionante Punho de Ferro, Demolidor segue sendo a principal parceria Marvel/Netflix, deixando as demais em segundo plano. Após uma deslizada na segunda temporada, a terceira remete à qualidade da primeira e traz como nunca as consequências dos atos de Matthew Murdoc como Daredevil. Após começar a se perder aos poucos no final do segundo ano, Matt volta cheio de culpa, amargura e ressentimentos por tudo e todos que de alguma forma convivem com ele, sem necessariamente estar certo em alguns pontos. Muito da sua raiva se deve a Wilson Fisk, seu arqui-inimigo, que sem dúvida, é o melhor vilão até hoje visto nas adaptações da Netflix. Vincent D'Onofrio é convincente em sua atuação de uma forma tão sublime que chega a ser difícil explicar como ele consegue manipular tudo ao seu redor. Encarna de corpo e alma seu personagem, que deixa a todos nós, os espectadores, absorvidos em sua genialidade. Também um misto de fera e requinte, por um lado um assassino violento e por outro, um ser humano tão apegado à arte, convenções e ao amor por Vanessa (Ayelet Zurer).


Apesar da pouca participação esse ano, Vanessa veio como uma peça chave na história, uma vulnerabilidade - talvez a única - de Fisk. O Rei do Crime, também Rei em manipular e usar as fraquezas alheias, acaba sendo pego na própria rede. Não vou me atentar a detalhes para não dar spoilers, mas a cena final do confronto entre Demolidor e Fisk talvez tenha sido a cena mais significativa até hoje vista na série. Tanto para Matt, que via em Fisk todas as suas fraquezas e medos materializados e para Fisk, entendendo pela primeira vez que possa ter perdido tudo aquilo que ele maquinou tão habilmente para conseguir.


A evolução do personagem de Charlie Cox é gigantesca. Por muitas vezes seu personagem mesmo sem falar nada era capaz de expressar dor e sofrimento somente com um olhar. Muito significativa essa mudança, já que nas temporadas anteriores ele era muito cheio de si e acreditava que sim, seria capaz de vencer todo o mal. Matt se vê pela primeira vez em um meio termo muito questionável: Matar Wilson Fisk e perder a si mesmo ou ganhar a guerra?


E vejam que me atentei somente ao núcleo central da trama. Tivemos personagens significativos esse ano, como o agente Nadeem (Jay Ali), que a princípio criava uma certa antipatia, passou de um personagem secundário àquele essencial no decorrer da história. Não podemos esquecer Dex Poindexter (Wilson Bethel) que, de maneira primorosa, conseguiu passar todos os demônios de seu personagem com loucura, paixão e uma pitada de desespero por alguém que o guiasse, alguém que ele pudesse se espelhar ou simplesmente ser aceito por quem ele é.

A tal da bússola moral, tão citada nos episódios, fica sugestiva a todos os outros personagens que, de alguma forma, perderam seu caminho e precisam se reencontrar. Seu personagem é trágico e sofre silenciosamente, oscilamos entre entender o que o levou a ser o que ele é ao mesmo tempo que sentimos raiva pelo seu comportamento, o que eu acredito ser muito interessante, pois demonstra que nem todo mal causado é completamente inacessível à mudança. Mudança essa que foi o plano de fundo dessa incrível temporada. Perdão, aceitação, redenção e segundas chances. Quantas vezes vamos ter que nos reinventar e entender que nem sempre as coisas saíram como planejamos? Quantas vezes pensamos que Deus está nos castigando? Perder nossa identidade ou até mesmo pensar que nada mais faz sentido no mundo, nem nós mesmos? Bem, esses eram alguns dos fantasmas que aterrorizaram Matt Murdoc esse ano. Se quiser saber mais sobre a série, tudo o que tenho a dizer é que esse ano foi simplesmente excelente. 



Sim, a série foi cancelada pela Netflix mas não significa que ela acabou de vez. Aparentemente o serviço do streaming da Disney resgatará todas as séries para passar em sua plataforma. De toda forma, nos resta aguardar.




Título Original:
Daredevil

Direção: Alex Garcia Lopez, Alex Zakrzewski, Jennifer Getzinger, Jennifer Lynch, Jet Wilkinson, Julian Holmes, Lukas Ettlin, Marc Jobst, Phil Abraham, Sam Miller, Stephen Surjik, Toa Fraser

Elenco: Charlie Cox, Deborah Ann Woll, Elden Henson, Jay Ali, Vicente D'Onofrio, Wilson Bethel, Ayelet Zurer

Sinopse: Fora do radar por meses, Matt Murdock (Charlie Cox) ressurge como um homem fragmentado, pondo em questão seu futuro tanto como o vigilante Demolidor e como o advogado Matthew Murdock. Quando seu arqui-inimigo Wilson Fisk (Vincent D'Onofrio) é liberado da prisão, Matt precisa escolher entre se manter nas sombras ou abraçar seu destino como herói.


Trailer:


E vocês? Gostaram?

Natália Vieira

Gosto de filmes e sou viciada em séries e música boa. Não tem muito o que dizer depois disso.

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário