Crítica: Tully (2018, de Jason Reitman)


Houve um tempo em que o que mais queria em minha vida era ter um filho. A barriga grande, os cuidados com a criança, o exercício da maternidade, que na minha visão, à época, era o destino de toda mulher. Os anos foram se passando e a vontade foi se reduzindo, pois aos poucos, fui vendo que a maternidade mais parecia uma história que contam para te convencer de algo, mas que na real, não é tão legal como falam. Hoje, o corpo parece pedir por algo, quase como um instinto natural. Mas não dá. A maternidade não é para qualquer mulher e lindo seria se conseguíssemos entender isto de uma vez por todas. Talvez, e bem talvez, não seja para qualquer fase da mulher, mas é mais certo que existam mulheres que realmente não nasceram para isso. E a sociedade precisa aceitar essa verdade.

Começo esta crítica com essa breve reflexão pois, Tully vem exatamente escancarar a dor da maternidade. E um filme como esse é de suma importância para que as pessoas possam aprender que maternidade não é brincar de casinha, é sério e faz parte da identidade da mulher, que se anula em muitos casos em prol de sua prole.


Acompanhamos a vida de Marlo (Charlize Theron), uma mulher exausta em sua terceira gravidez. Ela tem dois filhos, uma menina e um menino, este segundo, é uma criança com necessidades especiais e carece de um cuidado maior em sua criação. Marlo é casada e sua vida anda bem conturbada devido à chegada da nova bebê. É então, com a sugestão de seu irmão bem sucedido, que decide por deixar que Tully (Mackenzie Davis) a ajude com os cuidados da bebê durante e após o puerpério.

Marlo está acima do peso, com olheiras, sempre cansada e irritada. Tully, por outro lado, é uma jovem de corpo esbelto, com estilo oitentista, alto astral, que tem uma linda visão sobre a vida e cuida da bebê com todo esmero e amor possíveis. As duas são bem opostas uma à outra e acabam por se completarem durante esse aprendizado mútuo.


E aqui vale muito destacar o belíssimo trabalho de Charlize Theron. Ela consegue nos passar toda exaustão que Marlo sente apenas com seu olhar vazio e desesperado, e precisamos ressaltar todo seu preparo para ganhar peso,  conferindo veracidade para o corpo de uma mãe de 3 filhos que já se encontra desmotivada e sem tempo para cuidar de si. Sabemos que Charlize tem essa capacidade de encarnar suas personagens de maneira única, como em Monster - Desejo Assassino e aqui não é diferente. Acho difícil que ela seja lembrada em uma premiação como o Oscar, mas em outras de menor conhecimento do público, creio que não devam esnobá-la.



Destaque ainda para o roteiro afiado de Diablo Cody, responsável por filmes igualmente geniais como Juno e Jovens Adultos. Aqui ela retoma a parceria com Jason Reitman, diretor deste longa e dos outros citados. Devo dizer que tanto a direção quanto o roteiro são primorosos, mas o que mais se destaca sem sombra de dúvidas é o roteiro, que vem recheado de frases certeiras, com significância singular.

Ao fim, ficamos numa tristeza sem tamanho. Para uma mulher, talvez seja ainda mais triste. E deixa ainda pior saber que Marlo tinha um companheiro que não conseguia sequer enxergar a luta pela qual ela estava passando, recorrendo à Tully para tentar se equilibrar em sua bagunçada rotina de mãe. Em todo tempo, sabemos que Tully não é quem parece ser, mas acredito que a revelação final foi como um soco no estômago



Não vejo que o final tenha sido feliz, ou que Marlo tenha conseguido se acertar com seu marido e filhos, vejo apenas que precisou de uma tragédia para que o marido pudesse prestar atenção no que estava acontecendo e fazer o mínimo para tornar a vida de Marlo um pouco mais palatável. Um filme triste, acima de tudo, onde os sentimentos de perda de liberdade e de não valorização quando as mães ganham seus bebês e/ou já são mães de filhos mais crescidos (de qualquer idade e necessidade), são escancarados de forma desconfortável e dura.




Título Original: Tully

Direção: Jason Reitman

Elenco: Charlize Theron, Mackenzie Davis, Ron Livingston. Mark Duplass, Elaine Tan, Lia Frankland, Asher Miles Fallica, Gameela Wright, Collen Wheeler e outros.

Sinopse: Marlo (Charlize Theron), mãe de três filhos, sendo um deles um recém-nascido, vive uma vida muito atarefada, e, certo dia, ganha de presente de seu irmão uma babá para cuidar das crianças durante a noite. Antes um pouco hesitante, Marlo acaba se surpreendendo com Tully (Mackenzie Davis).

Trailer:


E você, o que acha do tema maternidade? Concorda com a crítica? Nos conte e não deixe de nos seguir nas redes sociais.

Eduarda Souza

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário