Crítica: Na Própria Pele - O Caso Stefano Cucchi (2018, de Sulla Mia Pelle e Alessio Cremonini)




Fui convidada para assistir este filme e escrever uma crítica. Confesso que por mim mesma, não seria uma opção que escolheria voluntariamente no catálogo da Netflix. Que bom que escolheram por mim. Enchi meu copinho de sorvete e ajeitei o semi-documentário para entender porque aquele título havia sido escolhido, para que eu escrevesse sobre, e a viagem triste ao mundo italiano foi bem proveitosa. A partir de agora, surgirão spoilers, então se você ainda pretende ver o filme, sugiro que primeiro o faça e depois volte aqui para contar como foi sua experiência.


O enredo conta a história baseada em fatos reais, da prisão e morte de Stefano Cucchi, italiano, 31 anos e detido em 2009 em uma batida policial. O jovem foi encaminhado à delegacia sob acusação de posse de 20g de maconha e 2g de cocaína. Após ser preso, Stefano é espancado pelos policiais que o prenderam, quebrando algumas de suas vértebras e em virtude disso adquirindo diversos hematomas.

Após sua prisão, depois de seu julgamento, o jovem Stefano, representado incrivelmente por Alessandro Borgi, passa então a sentir muita dor e não consegue andar, e é levado de médico em médico, autoridade à autoridade até ser transferido a um hospital prisão.


O jovem não denuncia os policiais e decide manter-se calado com medo de futuras represálias. E nós, como espectadores, acompanhamos tudo o que está acontecendo sem podermos fazer nada; diversas vezes nos perguntando o porquê de ele não ter revelado tudo no julgamento. E ao assistirmos sua jornada de dor, nos tornamos cúmplices, assim como os policiais e enfermeiros, que ouviram suas queixas e o porquê de estar assim, e nada fizeram. Alessandro Borgi, nos transmite todas as sensações de Stefano, pois ao se locomover ou se levantar, sentimos junto com ele suas dores e aflições.


O elenco secundário, Jasmine Trinca (irmã - Ilaria Cucchi) e Milvia Marigliano (mãe) também se mantem de forma linear e conseguimos sentir junto com elas as suas aflições e indignações por não poderem ver seu irmão/filho na prisão. O real Stefano entrou com 43kg na prisão e foi diagnosticado morto com 37kg; havia entrado na prisão sem nenhum trauma e faleceu com desnutrição, hematomas e lesões internas e externas, além de ser negligenciado ao conversar com seu advogado.

Não se trata de alguém ser inocente ou culpado, mesmo porque fica bem claro que o porte de drogas realmente era dele; trata-se da conivência dos abusos policiais, a falta de direitos básicos aos presos, bem como o medo da denúncia dos policiais.


Não podemos deixar de associar este filme, mesmo que italiano, a vários outros casos reais de morte por abuso policial, que acontecem no Brasil, sem explicação. O longa foi exibido na mostra Horizontes do 75º Festival de Cinema de Veneza, e causou impacto em quem assistiu. Notoriamente com baixo orçamento e com tons azulados que deixam as cenas mais tristes, vale ser assistindo quando se quiser chorar um pouco.




Título Original:  Sulla mia pelle 

Direção: Alessio Cremonini

Elenco:  Alessandro Borghi, Jasmine Trinca, Emanuele Cerman, Mauro Conte, Walter Nestola

Sinopse: Sulla mia pelle é um filme de drama italiano dirigido por Alessio Cremonini, estrelado por Alessandro Borghi. O filme é baseado nos últimos dias de Stefano Cucchi, um agrimensor de 31 anos que morreu em 2009 em circunstâncias pouco claras durante a prisão cautelar

Trailer:

E você já assistiu? Conte pra gente sua experiência e não se esqueça de curtir e compartilhar com seus amigos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário