Crítica: Slender Man – Pesadelo sem rosto (2018, de Sylvain White)


O filme é baseado em uma lenda urbana e tem exatamente esse tema como ponto de partida para contar a história do personagem folclórico/cibernético chamado: Slender Man (no filme, Javier Botet). O criador original do personagem é Victor Surge (Eric Knudsen), que participou de um concurso de Photoshop, em que quem ganharia seria quem transformasse uma imagem real em uma imagem com a aparição de um monstro, espírito ou algo do gênero, que parecesse real. Mas, isso não era tudo, na legenda da imagem deveria haver uma história convincente para tornar aquilo ainda mais verídico - mesmo sem ser -. A imagem de Knudsen foi a que mais se destacou e sua história tomou grandes proporções, dando origem ao viral do Slender, inspirando documentário e também algumas histórias macabras mundo afora e, claro, isso inspirou o longa-metragem. 


Slender Man – Pesadelo Sem Rosto gira em torno de um grupo de quatro amigas adolescentes, Wren (Joey King), Hallie (Julia Goldani Telles), Chloe (Jaz Sinclair) e Katie (Annalise Basso), que em uma de suas reuniões de amigas, dessa vez na casa de Katie, resolvem assistir juntas ao vídeo viral de Slender Man. A partir desse momento já começa uma espécie de terror psicológico, primeiramente em grupo e depois individualmente, em que cada uma delas passa a ver e ouvir coisas e ter pesadelos sombrios. As coisas ficam ainda mais sérias quando Katie simplesmente desaparece.

O filme reúne alguns clichês dos filmes jump-scares: sustos, muitas aparições e música de tensão que te ambienta ao momento de horror que será vivenciado na sequência, ou seja, previsível. A direção que fica a cargo de Sylvain White, que apesar de já conter longas diversificados no currículo, não possui nenhuma obra prima ou clássico em sua filmografia. O que fica parecendo para o espectador é que o roteiro escrito por David Birke, entrou num conflito com a proposta passada por White, pois nitidamente o contexto geral do filme se propunha a ser um terror psicológico, considerando todos efeitos, cenários sombrios e sequências que nos deixam nervosos. Mas, o filme é uma reunião de aparições, sustos e toda a paranoia que o Slender Man causa. 


Tem algumas coisas que não possuem muita explicação ou tem pouco aprofundamento, como um usuário anônimo, chamado AleeyKat93, que demonstra grande conhecimento sobre o Slender Man e explica o que as garotas devem fazer em relação a ele. Os personagens Tom (Alex Fitzalan) e Lizzie (Taylor Richardson), irmã de Hallie, ambos são secundários, mas que para dar um preenchimento na história entram num surto, dando a entender que assistiram ao vídeo, o que poderia ter sido melhor elaborado e desenvolvido e não apenas usado para preencher lacunas.

De início, o estilo de Slender Man nos lembra um clássico do horror que tem como premissa um espírito assassino e vingativo que se espalhava como um viral, a diferença é o tempo e que O Chamado (2003) é melhor desenvolvido. Samara assombra qualquer um até hoje, não é a toa que já a propagaram do VHS para a internet em O Chamado 3 (2017). Em Slender Man, é a mesma coisa, mas não tem uma explicação; uma história e só: assistiu ao vídeo, já era.


Devido à popularidade na internet do homem magrelo sem face que busca crianças e adolescentes, aparentemente é um filme bem aguardado pelo público que curte um bom filme de terror, mas se você for assistir, já saiba que não é nada de mais; já você que curte um jump-scare, pode ir assistir numa boa. De repente, façam uma sequência com mais explicações, evidências, uma espécie de “Slender Man – A Origem”, que seria mais interessante do que esse clipe de horror. Ademais, o filme começa e termina com essa pegada de explicar o poder e a influência de virais de horror e coisas do gênero, mas é só uma ideia de plano de fundo.


Título Original: Slender Man

Direção: Sylvain White

Elenco: King, Julia Goldani Telles, Jaz Sinclair, Annalise Basso, Javier Botet, Taylor Richardson, Alex Fitzalan, Kavin Chapman, Jessica Blank, Michael Reilly Burke

Sinopse: As amigas Wren, Hallie, Chloe e Katie levam uma vida entediante no colégio. Quando ouvem falar num monstro chamado Slender Man, decidem invocá-lo através de um vídeo na Internet. A brincadeira se transforma num perigo real quando todas começam a ter pesadelos e visões do homem se rosto, com vários braços, capaz de fazer as suas vítimas alucinarem. Um dia, Katie desaparece. Como a polícia não dispõe de nenhuma prova para a investigação, cabe às três amigas fazerem a sua própria busca, enfrentando a criatura.

Trailer:

Você que é fã de terror e pretende assistir Slender Man nos cinemas, quais são as suas expectativas? Diga o que achou da crítica, não deixe de comentar!

Ana Paula Araújo

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário