Crítica: A Torre Negra (2017, de Nikolaj Arcel)


A Torre Negra é o 37º filme adaptado das obras de Stephen King (O Iluminado, IT), sendo um dos mais esperados pelo público, tendo livros, hq’s, e agora, um filme. Com tanto material é de se esperar uma obra coesa e interessante, ou, no mínimo, algo bom, mas infelizmente isso não é entregue, se passando por uma obra rasa e problemática.

O pistoleiro Roland Deschain (Idris Elba) percorre o mundo em busca da famosa Torre Negra, prédio mágico que está prestes a desaparecer. Essa busca envolve uma intensa perseguição ao poderoso Homem de Preto (Matthew McConaughey), passagens entre tempos diferentes, encontros intensos e confusões entre o real e o imaginário.


O nome do cabeça de tudo é Nikolaj Arcel, diretor dinamarquês conhecido por O Amante da Rainha (2012), filme indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2013, mas nada em A Torre Negra se parece com esse filme, principalmente em questões de qualidade. Visualmente o diretor tem boas escolhas, enquadramentos aceitáveis, planos bem feitos, além de uma boa noção de espaço e cenário.

Mas, quando tratamos de escolhas gerais do filme se vê uma série de erros. Principalmente pela escolha do que mostrar em tela, decisão em que o diretor toma por passar em todos aspectos importantes, como motivações, escolhas e etc. Simplesmente ele mostra tudo que certamente segundo a trama deveria mostrar, o que aparenta uma certa responsabilidade com a qualidade do filme, mas, infelizmente, se passa apenas por aparências.


No peso de trama e no tamanho dela como a de A Torre Negra onde se tem que apresentar personagens, histórias, conexões, fios de enredo que são abordados em 8 livros, em um tempo de 1 hora e 37 minutos é quase que claro que algo vai dar errado quando se quer mostrar tudo, e é o que acontece. Onde a partir dessas escolhas o roteiro passa por cima total de dois aspectos básicos (que basicamente definem a qualidade de um filme), a construção e o desenvolvimento. Roteiro que também foi responsabilidade de Nikolaj Arcel.

E, a partir desse problema o filme entra em um estado caótico de apenas várias cenas sendo colocadas uma por cima da outra com ordens lineares de roteiro, deixando uma experiência superficial e sem nenhuma interação importante com o público. Chegando a um ponto em que caso o filme mostrasse a pior das possibilidades em que os protagonistas morressem, você não se importaria com nada, simplesmente por não ter nada que te fizesse se apegar a obra, ou personagens.


Com o filme raso, seus problemas ecoam em diversos aspectos, como edição e montagem, tempo em tela de cada personagem, logo atrapalhando qualquer interesse de uma atuação memorável de qualquer ator escalado para a obra.

Tendo o protagonista e estreante no cinema Tom Taylor, que apesar do bom tempo em tela, pelas escolhas de roteiro e direção não mostra nada de mais. Levando Matthew McConaughey (Clube de Compras Dallas, Interestelar) a repetir muitos de seus papéis e fazer um vilão que apesar dos “poderes”, não teme. E, apesar de ser o melhor personagem e ter os melhores momentos do filme (que em minha opinião foram os alívios cômicos), Idris Elba (série Luther) não tem um roteiro a altura para apresentar um possível potencial carregado em seu personagem.


Tendo problemas de direção, roteiro, edição e montagem, apresentando como qualidade os efeitos visuais em algumas cenas, em outras não, para o bom cinéfilo simplesmente não é recomendável, para o público comum, talvez. Mas, sendo deixado claro que no fim da experiência será um filme no máximo ok, e que apesar de uma incrível qualidade de cenas de ação apresentadas no trailer, é basicamente aquilo do trailer que tem de ação.

Apesar do potencial A Torre Negra se mostra uma grande decepção, não emocionando, não adaptando bem o material original, não impressionando, com diálogos rasos e por fim, totalizando em uma experiência ruim, cansativa e broxante. 


Tìtulo Original: The Dark Tower

Direção: Nikolaj Arcel

Elenco: Idris Elba, Matthew McConaughey, Tom Taylor, Abbey Lee Kershaw, Katheryn Winnick. Jackie Earle Haley.

Sinopse: O pistoleiro Roland Deschain (Idris Elba) percorre o mundo em busca da famosa Torre Negra, prédio mágico que está prestes a desaparecer. Essa busca envolve uma intensa perseguição ao poderoso Homem de Preto (Matthew McConaughey), passagens entre tempos diferentes, encontros intensos e confusões entre o real e o imaginário.

Trailer:


O que achou da crítica? Gostou do filme? Ainda vai assistir? Diz pra gente nos comentários :D

Vinícius Dellvale

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário