Crítica: Atômica (2017, de David Leitch)


Como diretor, David Leitch tem basicamente dois filmes, além do próprio Atômica, foi responsável pelo bom John Wick: De Volta ao Jogo. E, no próximo ano promete entregar o tão esperado Deadpool 2. Visando esses três filmes, se dermos uma olhada no elenco, hype e qualidade apresentada em sua penúltima obra, percebemos que David Leitch promete ter uma ótima carreira. E para Atômica (seu segundo filme), já adianto que é tão bom quanto, ou talvez melhor, do que o primeiro.

Lorraine Broughton (Charlize Theron), uma agente disfarçada do MI6, é enviada para Berlim durante a Guerra Fria para investigar o assassinato de um oficial e recuperar uma lista perdida de agentes duplos. Ao lado de David Percival (James McAvoy), chefe da localidade, a assassina brutal usará todas as suas habilidades nesse confronto de espiões.


De cara já nos é apresentado o estilo do filme, fotografia fria com uma saturação harmônica, como contraste neon, atrelamento do recurso de edição com a tensão da trama, além da clara e extremamente presente trilha sonora. Trilha sonora que é um espetáculo, apresentando as melhores coisas dos anos 80. Sem falar de um trabalho de som equilibrado por Tyler Bates.

Contudo, temos um roteiro que no geral é bom, mas erra em alguns pontos. Principalmente (pelo menos os únicos percebidos) na construção de linhas de enredo, praticamente todas as histórias e tramas paralelas que cercam a personagem principal tem uma construção que particularmente acabam sendo ruins ou simplistas demais, porém o longa acerta na trama principal, e depois desse período de construção (quase todo o 1º ato), acerta novamente no desenvolvimento dos mesmos.


Na direção também temos problemas, no geral esses problemas estão na escolha do diretor sobre quais recursos usar para mover a trama. Como temos uma construção ruim no 1º ato, ele meio que compensa de outra forma, gerando a partir daí formas de construir tensões e prender o público. Uma dessas foi o uso constante da trilha sonora, o que não é ruim, mas há momentos em que isso é perceptível, e quando isso se torna perceptível é o momento em que ocorre o erro. Felizmente, depois disso só há melhorias.

Com o primeiro ato mediano, partimos para o segundo, e nesse momento o filme realmente começa. Todo desenvolvimento de trama proporcional, uma história razoavelmente elaborada, o que pode decepcionar para um filme de ação, mas não decepciona totalmente, isso, por causa de uma ótima direção. Direção que usa ótimos recursos de tensão, transita bem entre todas tramas, além de ser algo crescente (o que nos faz imergir na obra).


Além disso, temos um diretor que brilha na capacidade de criação de cenas, e quando o filme entra na sua área (ação), ele dá um espetáculo, dando um dos melhores plano-sequências em anos. Simplesmente sensacional, além de saber o momento certo do que colocar em cena, segurando muito bem possíveis exageros no filme. Mesmo assim, tem seus leves escorregões, mas no geral, depois do primeiro ato, o filme só tende a acertar e crescer.

Nas atuações, temos uma ótima condução de trama nos ombros de Charlize Theron (Monster - Desejo Assassino, Mad Max: Estrada da Fúria), sendo uma personagem incrivelmente sensual, perigosa e que ao mesmo tempo traz leveza e fragilidade. O filme vale à pena só por ela, sem falar de James McAvoy (Fragmentado), simplesmente sensacional, tendo total conhecimento da sua relevância na trama, e adicionando muito bem  cada uma de suas camadas. De resto, nada de muito bom ou ruim.


Por fim, Atômica acerta, diverte, entretém e recompensa muito bem cada minuto assistido. Mais um acerto nas mãos de David Leitch, e com certeza, mais um bom filme desse ano. Recomendo. 

Atualização: atualmente está no catálogo da Netflix!



Título Original: Atomic Blonde

Direção: David Leitch

Duração: 115 minutos

Elenco: Charlize Theron, James McAvoy, Sofia Boutella, John Goodman, Toby Jones, Eddie Marsan, Til Schweiger.

Sinopse: Lorraine Broughton (Charlize Theron), uma agente disfarçada do MI6, é enviada para Berlim durante a Guerra Fria para investigar o assassinato de um oficial e recuperar uma lista perdida de agentes duplos. Ao lado de David Percival (James McAvoy), chefe da localidade, a assassina brutal usará todas as suas habilidades nesse confronto de espiões.

Trailer:


Gostou da crítica? Gostou do filme? Não gostou? Diz pra gente nos comentários! :D
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário