TOP 10 - AS MELHORES SÉRIES, QUE VOCÊ TALVEZ NÃO CONHEÇA


     O mundo das séries é algo que cresce a cada dia. É difícil encontrar uma pessoa que não tenha uma série favorita, ou que não tenha opinião formada sobre alguma que está em exibição. Entre todas as séries populares, existem aquelas que nem todos conhecem, mas que valem a pena serem acompanhadas. Vem comigo conhecer as 10 séries, que você talvez não conheça, mas que valem a pena serem conferidas.
                                     
                                              10 - UnReal


A história acompanha os bastidores de um reality show de relacionamentos. Toda intriga, mentira e manipulação presentes em um realy, se encontram nessa série. Manipulação aliás, é uma ótima palavra para definir o que acontece no decorrer da história. Shiri Appleby entrega um ótimo trabalho, com uma personagem deliciosamente mal-intencionada, que de início não entendemos muito bem o que deseja, mas no decorrer da trama se mostra uma ótima articuladora. Vale destacar também Constance Zimmer que está indicada ao Emmy, como melhor atriz coadjuvante em série dramática.

                                           9 - Black Mirror 


    'Black Mirror' é uma série de estética diferente. A cada episódio somos apresentados a um elenco diferente e realidade diferente. Mas todos os episódios falam sobre o modo com vivemos agora. Por exemplo no episódio 'The Entire Story of You', os seres humanos têm a opção de registrar, em um chip implantado atrás da orelha, todos os seus atos diários, e revivê-los mais tarde em vídeo. Como todo o avanço que temos hoje em dia, em breve isso será algo a ser discutido. Vale a pena conferir 'Black Mirror'. A nova temporada na série estréia no dia 21 de Outubro. 

                                                 8 - VEEP 

  
    Estrelada por Julia Louis-Dreyfus, 'VEEP' acompanha Selina Mayer e sua equipe de gabinete, que muitas vezes não é tão competente quanto a vice-presidente precisa. Com piadas nada óbvias, um humor único e uma criatividade ímpar, 'VEEP' foge no clichê de comédias políticas, e entrega ótimas atuações.

                                               7 - Luther 


     A História gira em torno do detetive Jonh Luther, da polícia de Londres. Luther (Idris Elba) está de volta a polícia, após ter sido afastado por conta de uma crise emocional. A série apesar de ser um drama policial, mergulha de cabeça nos dramas do perturbado detetive. Entre tratamentos psiquiátricos e vários questionamentos, 'Luther' é um ótimo drama policial, que sabe usar os clichês do gênero. 
                                         
                                          6 - The Leftovers


       Nesse drama misterioso 2% da população desaparece de forma repentina e sem qualquer explicação, e o mundo inteiro tenta lidar com essa situação improvável. Teria sido o arrebatamento bíblico? Ou um evento sobrenatural simplesmente inexplicável? A história gira em torno de Kevin Garvey, pai de família e chefe de polícia de um pequeno subúrbio nova-iorquino, que se esforça para recuperar a sensação de normalidade. 

                                           5 - Penny Dreadful


    Em 'Penny Dreadful', os clássicos de horror nos são apresentados de uma nova maneira. Temos Dr. Frankestein e sua criatura, o eternamente jovem Dorian Gray e icônicas figuras do romance Drácula. Tudo isso girando em torno da atormentada Vanessa Ives (Eva Green). 'Penny Dreddful', com sua três temporadas, foi sem dúvidas um marco entre as séries de horror. Vale cada segundo gasto assistindo.
                                   
       4 - Community 


     'Community' é aquele tipo de série, querida por um pequeno grupo, e que já até foi salva do cancelamento por seus fãs fiéis. Focada em um grupo de desviados, onde o líder é um advogado que teve seu grau revogado. Eles formam um grupo de estudos, onde acabam aprendendo mais sobre si, do que sobre a matéria cursada. Com boas piadas e personagens secundários ótimos, 'Community' pode não ter uma base de fãs gigantesca, mas certamente é uma das melhores comédias dos últimos tempos.
                                         
                                          3 - Parks And Recreation 


      Outra comédia que não é tão conhecida pelo grande publico. 'Parks and Recreation' acompanha Leslie Kope (Amy Poehler), uma funcionária muito dedicada, que leva seu posto muito a sério e tem como objetivo na vida ser a primeira mulher presidente dos Estados Unidos. O fato da série se passar em um ambiente de trabalho, a deixa mais engraçada ainda. A forma como o show é conduzido com piadas irônicas a respeito dos tabus, do dia-a-dia só deixam as coisas ainda melhores. 
                   
                                        2 - Mozart in the Jungle


    Sexo, drogas e música clássica. Aposto que você nunca imaginou o mundo dos maestros dessa forma. De início, a série nos apresenta dois personagens que estão em lados apostos de sua respectivas carreiras. Um deles é Rodrigo (Gael Garcia Bernal), ex-prodígio que está no auge da sua carreira. Ele se torna o regente de uma orquestra sinfônica de Nova Iorque, onde ele precisa lidar com Thomas, um outro regente que está estabelecido em sua profissão. Outra personagem que tem destaque na trama é Hailey (Lola Kirke), uma jovem oboísta que está iniciando em sua profissão. Dividindo-se entre concertos clássicos e festas regadas à cocaína, sexo, ela questiona seu futuro.  
                                 
                                          1 - The Americans


  A série é situada na década de 1980, ela acompanha a vida de dois espiões da KGB que se fazem passar por um casal americano, vivendo no subúrbio de Washington. Tentando manter seus disfarces a medida que o tempo passa Phillip (Mathew Rhys) e Elizabeth (Keri Russel) começam a adotar uma postura cada vez mais de casal que de espiões. Os casal tem como missão, controlar a rede de informações entre os espiões que operam no país. Enquanto isso, os filhos do casal, sem desconfiarem da verdadeira identidade dos pais, vivem como dois típicos pré-adolescentes americanos. 'The Americans' é uma série muito bem elaborada e que não falha ao nos levar de volta aos ano 80.  

10 FILMES COM PSICOPATAS QUE VOCÊ DEVERIA ASSISTIR


Eles podem ser maus, doidos, comer carne humana, matar por matar e mesmo assim ainda conseguimos gostar deles. Conheça agora uma lista de alguns filmes que precisam ser assistidos pelo menos uma vez na vida. Veeeem!


Crítica: Tallulah (2016, de Sian Heder)


“Somos todos horríveis. E também somos apenas pessoas”

A Netflix disponibilizou nesta sexta-feira (29) seu mais novo filme original 'Tallulah', que obteve sua estreia no Festival de Sundance 2016. Primeiro longa para o cinema dirigido por Sian Heder, escritora de 'Orange is the New Black'. O drama de Heder traz as atrizes Ellen Page e Allison Janney juntas novamente, já que contracenaram como mãe e filha no clássico 'Juno' (2007).

Crítica: A Caminho da Felicidade (2012, de David M. Rosenthal)


Lançado há cerca de 4 anos atrás, o longa 'A Caminho da Felicidade' foi bem recebido pelo público e por parte da crítica. Com uma história semelhante a 'O Som do Coração', ele certamente vai conquistar aqueles que adoram filmes baseados em histórias reais!

Crítica: Cúmplices de um Segredo (2014, de Stanley M. Brooks)

Crítica: Em Busca da Justiça (2016, de Gavin O'Connor)




Não posso dizer que sou um grande fã de filmes de faroeste, até porque não cresci no período em que eles eram bem populares. Hoje em dia o gênero não faz tanto sucesso como antigamente mas, uma vez ou outra alguma produção é lançada e dentre esses lançamentos uma me chamou a atenção, o ótimo 'A Salvação' (2014) que traz Mads Mikkelsen e Eva Green em uma história interessante voltada mais para o drama e tendo o velho oeste como cenário. Essa boa experiência me fez ficar de olho em outra película que também prometia muito o 'Jane Got a Gun' (título bem familiar para quem gosta da banda Aerosmith). 

O filme acabou ficando marcado por um conturbado processo de pré-produção, inicialmente o cargo de diretor era de Lynne Ramsay mas ela acabou se afastando, sendo substituída por Gavin O'Connor. A saída da diretora fez com que o ator Jude Law também abandonasse o projeto, no seu lugar contrataram Bradley Cooper que mais tarde também se desligou da produção alegando conflito na agenda, o papel então passou para Ewan McGregor encerrado toda essa confusão iniciada lá em 2013.

Crítica: Jason Bourne (2016, de Paul Greengrass)


Em 2002, Doug Liman lançou 'A Identidade Bourne', filme baseado nos livros de mesmo nome, escritos por Robert Ludlum. Sucesso de público, ele estrelava Matt Damon como o personagem principal. Em 2004, a sequência foi dirigida por Paul Greengrass, que embora fosse outro diretor, não decaiu em nada o nível do filme. Já o terceiro de 2007, havia sido considerado o maioral, dados os eventos sucessivos até então. Quanto ao quarto longa, 'O Legado Bourne' recebeu o mesmo título e vinha com a premissa de expandir o universo da saga, apresentando um novo herói cujas escolhas seriam resultado dos eventos apresentados nos três primeiros. Em novembro de 2014, o ator confirmou retorno à franquia e essa semana, o quinto filme estreou nos cinemas e só pelo trailer, a expectativa dos fãs foi altíssima! E com isso, afirmo que não irão se decepcionar, pois vale a pena cada centavo gasto.

Crítica: Deuses do Egito (2016, de Alex Proyas)






'Deuses do Egito' é o tipo de superprodução que já nasce fadada ao fracasso com a crítica. Lotado de clichês, mais lotado ainda de efeitos especiais em CGI, o longa ainda causou polêmica quando seus primeiros trailers surgiram. Isso porque trazia um elenco branco, mais precisamente loiro na maior parte - quase nórdico - enquanto que muitos afirmam que os egípcios antigos eram negros. Os internautas detonaram a produção e o já julgaram como preconceituoso e ruim sem nem mesmo verem o filme. Bem, sem querer defender o filme, registros históricos mostram que na verdade houve uma miscigenação entre os primeiros egípcios (brancos) e os núbios (povo desbravador negro). Então na maior parte, os egípcios eram de pele morena - às vezes mulata - em um meio termo que contradiz tanto o filme como quem afirma que eram negros. É importante ler os fatos históricos antes de sair falando. Neste caso ambos os lados se apresentam errados. Bem, deixando de lado a discussão étnica (leia sobre o assunto aqui!), voltemos ao principal, falar da produção cinematográfica.

Crítica: Para Sempre Lilya (2002, de Lukas Moodysson)

Crítica: As Aventuras da Mulher Elétrica e Garota Dínamo (2016, de Chris Marrs Piliero)


Estreia do diretor Chris Marrs Piliero, este filme que na verdade são 8 episódios de uma minissérie cancela, é um reboot da série televisiva, com o mesmo titulo, de 1976. Era focada mais para o público jovem e seguia o estilo ‘Batman e Robin’ como uma sátira. 


Brie Larson é a Capitã Marvel dos cinemas! E agora?

                  




No dia 23 de julho de 2016, durante a San Diego Comic Con, Brie Larson, atriz que ficou mundialmente conhecida pelo filme 'O Quarto de Jack', foi anunciada como intérprete da Capitã Marvel, heroína da Marvel Comics. Desavisados a parte, Brie já tinha seu nome ligado ao papel há certo tempo.

  Todavia, nem todos estão familiarizados com a heroína -não mutante- mais poderosa da terra. Carol Danvers surgiu em 1968, como membro da força aérea americana. Viveu muitos anos sob o manto de Miss Marvel. Foi em 2012 que a heroína resolveu alçar voos mais altos, ela então assumiu o manto de Capitã Marvel, e vem ganhando cada vez mais notoriedade nos quadrinhos da Marvel. Atualmente Danvers protagoniza Guerra Civil II, onde trava um embate ideológico com Tony Stark (Homem de Ferro).

Crítica: Ninguém Sobrevive (2013, de Ryûhei Kitamura)


Filmes "gore", como são chamados, nem sempre são bons. A maioria produzida
por Hollywood se enche de clichês, que acabam tornando-os até vergonhosos.
Porém, o thriller 'Ninguém Sobrevive' não se encaixa na maioria e prova como
minoria, deixa o espectador grudado na cadeira de tão arrepiante! Como em
outros longas do diretor, não temos aqui a luta entre o bem vs. mal e sim do 
mal vs. mal. Se você procura por um terror no melhor estilo 'The Midnight Meat 
Train' (2008), esse é o filme certo, com certeza.

Stranger Things - Nova série da Netflix traz a nostalgia dos anos 80 e a magia e os mistérios de ser criança!



Alguns meses atrás, quando o primeiro trailer desta nova série original da Netflix estourou, criou-se certa expectativa em torno dela. Principalmente dos expectadores mais saudosistas, devido ao teor nostálgico e clima oitentista que o trailer propôs. Bem, no dia 15 de Julho 'Stranger Things' chegou ao serviço streaming causando um alvoroço, superando as expectativas e caindo no gosto de todos, se tornando a série mais bem sucedida da história da Netflix e uma das mais comentadas, dentre todas séries já lançadas. Este nascimento de um clássico moderno e tremendo sucesso se deve a uma verdade: 'Stranger Things' consegue trabalhar muito bem o drama, o mistério, o suspense e o terror; mas sem perder o clima nostálgico, familiar e inocente. Sagazmente, a série anda nessas duas "vias", se tornando a grande surpresa do ano para os sériemaníacos e - quem sabe - os cinéfilos. 

Crítica: Rebirth (2016, de Karl Mueller)




‘Rebirth’, longa original Netflix tendo Karl Mueller como diretor, estreou na sexta (15) com uma premissa já conhecida, porém bastante engenhosa. Volta-se a um protagonista típico americano que tem sua vida, pacata com uma rotina quase que robótica, transformada depois que é convocado por um antigo amigo a ir a um retiro espiritual num final de semana.

Se eu pudesse convencê-lo de algo, seria não assista a este filme, ou assista só para ter um gosto amargo por ter perdido um tempo, mas se encontrou este filme rolando a barra da Netflix e achou a sinopse interessante, veja primeiro suas notas no IMDB ou Rotten para amenizar sua decepção.


Amor a Toda Prova (2011, Glenn Ficarra, John Requa)



Já faz alguns dias que assisti a esse filme e ele já estava naquela lista imensa que a gente faz, mas nunca temos tempo de assistir ou então damos prioridades a outros filmes. Vou te contar eu deveria ter assistido antes, por que além de muito divertido é um filme que mostra as faces, talvez até fases e formas do amor. Isso tudo englobando um núcleo familiar, mas isso só fica evidente ao final do filme. O elenco é excepcional contando com Steve Carell, Julianne Moore, Ryan Gosling, Emma Stone, Kevin Bacon, Marisa Tomei, entre outros.[Contém Spoiler]

Crítica: A Lenda de Tarzan (2016, de David Yates)


Eis que chega aos cinemas 'A Lenda De Tarzan', versão live-action do conto clássico cuja história fez parte da infância de muita gente. A animação da Disney, feita em 1999, me encantou à beça e naquele época, por ser uma criança, nunca imaginaria que um dia fossem lançar um filme do mitológico Tarzan. Até agora. Todavia, este é um filme cujo trailer mente para o espectador e isso é algo constante em vários trailers de lançamentos, onde eles são muito bem editados e possuem uma montagem dinâmica: apenas as melhores cenas são jogadas ali.

TRAILER: Mulher-Maravilha (2017, Patty Jenkins)




Finalmente saiu galera e está maravilhoso, sério, de arrepiar até as sobrancelhas!


Crítica: Um Momento Pode Mudar Tudo (2015, de George C. Wolfe)


Lançado em circuito brasileiro no passado pela H2O Films, o longa 'Um Momento Pode Mudar Tudo' foi bem recebido pela crítica americana e conta com um elenco de peso. É baseado no livro de mesmo nome, escrito por Michelle Wildgen. Portanto, preparem-se para altas emoções, pois a mensagem passada ao espectador é tocante.

Crítica: The Fundamentals of Caring (2016, Rob Burnett)



Rob Burnett é o roteirista e diretor estreante do mais novo filme da Netflix, 'The Fundamentals of Caring', exibido em janeiro de 2016 no Sundance Film Festival e comprado pelo serviço de streaming, sendo lançado mundialmente em 24 de junho de 2016.

Lançamentos Netflix e Fox (2016 - 2017)



Hajaaaa coração para aguentar o bombardeamento de teaser e trailers que saíram de ontem para hoje. Netflix está testando nossos corações sem dó lançando de uma só vez uma enxurrada de novidades. Vem conferir.

Crítica: Dentro do Labirinto Cinzento (2015, de David Hackl)




Na minha visão, de todos os filmes de animais assassinos lançados até hoje, acredito que os ursos é um dos que mais ficaram prejudicados, pois de todos que já tive a oportunidade de assistir, nenhum conseguiu retratar de forma satisfatória o real perigo e violência que esses animais podem oferecer. Dos filmes mais recentes considero 'Sobreviventes' o melhor até então mas, não o suficiente para virar um bom representante do tema. Já outros como os medianos 'Fúria Sangrenta' e 'Grizzly Park - O Parque dos Ursos Selvagens' servem mais como entretenimento passageiro e descompromissado.

Quando as primeiras notícias de 'Dentro do Labirinto Cinzento' saíram, anunciando David Hackl ('Jogos Mortais 5') como diretor e a contratação de um elenco competente e conhecido, muitos começaram a acreditar que esse poderia ser "o filme" de ursos assassinos. Doce engano! Pois a única coisa que o filme consegue fazer é desperdiçar todo seu potencial em algo totalmente dispensável.