Série: THE WALKING DEAD



Finalmente começarei a expandir os assuntos do blog. E farei isso com estilo, falando de The Walking Dead, ou TWD para os mais achegados. Esta é a série mais vista e comentada da atualidade, e considerada a melhor (para mim é a segunda melhor, pois considero Game of Thrones a melhor; mas isso é assunto de outra hora). Mas não nego o incrível desempenho que TWD vem destacando. Vamos falar dela então:


Origem: falando um pouco da HQ- The Walking Dead é uma série pós-apocalíptica norte-americana, desenvolvida por Frank Darabont (ótimo diretor de À Espera de um Milagre e O Nevoeiro) baseada na série de quadrinhos de mesmo nome por Robert Kirkman, Tony Moore e Charlie Adlard. As histórias em quadrinhos, ou melhor dizendo, HQ; foi publicada nos Estados Unidos pela Image Comics a partir de 2003. A história foi criada e escrita por Robert Kirkman e o desenhista Tony Moore, substituído por Charlie Adlard a partir da edição número 7, mas que continuou a desenhar as capas até a edição número 24. A série narra a história de um grupo de pessoas tentando sobreviver em um mundo atingido por um apocalipse zumbi. No Brasil a série é publicada em forma de encadernados pela HQM Editora. Em Portugal está a ser editada pela Devir Livraria.

A série não teve grandes vendas durante seu lançamento, mas ganhou grande popularidade com o tempo. Em 2006, a primeira tiragem da trigésima terceira edição da série esgotou em apenas 24 horas. Em 2010 a série ganhou o prêmio Eisner Award de Melhor série contínua, anunciado na San Diego Comic-Con.


PS: Eu possuo algumas edições das HQ's. Devo dize que são chocantes e viscerais. Amantes de HQ's consideram ela uma das melhores de todos os tempos. Por outro lado eles não gostam muito da série por ser um tanto diferente da HQ. A HQ é muito mais violenta e chocante. Mas eu particularmente entendo porque a série é diferente. HQ's são diferentes de livros. Ambos são diferentes de séries, que por sua vez todos estes são muito diferentes de filmes. São meios de arte e comunicação opostos e cada um com suas características. Dentro dos padrões aceitáveis e possíveis de se fazer para a televisão, TWD é uma série muito acima da média.




Vamos falar da série então: 
Sinopse: The Walking Dead conta a história da consequência de um apocalipse zombie; e segue um pequeno grupo de sobreviventes, viajando por um desolado Estados Unidos à procura de uma nova casa longe das hordas de mortos vivos. O grupo é liderado por Rick Grimes, que era o xerife de polícia de uma pequena cidade da Geórgia, antes do surto de zombies. Enquanto sua situação fica mais perigosa, o desespero do grupo para sobreviver leva-os a beira da insanidade.
Produção: Em 20 de janeiro de 2010, a AMC anunciou oficialmente que eles haviam encomendado um piloto para uma possível série adaptada do quadrinho The Walking Dead, com Frank Darabont e Gale Anne Hurd atuando como os produtores executivos e Darabont como diretor e roteirista também. Toda a série foi pré-encomendada baseada apenas na força do material de origem, os roteiros de televisão e o envolvimento de Darabont. Em janeiro de 2010, uma resenha do roteiro do piloto atraíu mais atenção. As gravações do piloto começaram em 15 de maio de 2010, em Atlanta, Geórgia, após a AMC ter encomendado uma temporada de seis episódios. O restante dos episódios da temporada começaram a ser gravados em 2 de junho de 2010, com Darabont sendo o produtor responsável pela série. Em 17 de julho de 2010, Darabont revelou quem iria escrever e dirigir os seis episódios. Darabont escreveu/co-escreveu os primeiros três episódios e dirigiu o piloto. Michelle MacLaren dirigiu o segundo episódio. O produtor executivo Charles H. Eglee e o co-produtor Jack LoGiudice co-escreveram o terceiro episódio com Darabont, com Gwyneth Horder-Payton dirigindo. O quarto episódio foi escrito pelo produtor executivo Robert Kirkman, o criador e roteirista dos quadrinhos, com Johan Renck sendo o diretor. O quinto episódio foi escrito por Glen Mazzara e dirigido por Ernest Dickerson. O sexto episódio foi escrito por Adam Fierro e dirigido por Guy Ferland. A série foi filmada em sua totalidade em 16 mm. David Tattersall foi o diretor de fotografia do piloto, com David Boyd assumindo o cargo no restante dos episódios. A direção de arte ficou a cargo de Greg Melton e Alex Hadju. A maquiagem de efeitos especiais foi feita por Gregory Nicotero.
Os direitos de exibição da série para o exterior foram vendidos e anunciados em 14 de junho de 2010.
Em 31 de agosto de 2010, Darabont anunciou que The Walking Dead iria receber uma segunda temporada, com a produção começando em fevereiro de 2011. Em 8 de novembro de 2010, a AMC confirmou uma segunda temporada de 13 episódios que estreou dia 16 de Outubro de 2011 nos Estados Unidos. Darabont também disse que ele gostaria de incluir alguns dos "elementos ambientais" que ocorrem durante o volume 2 do quadrinho de Kirkman. Com o sucesso, foi inevitável a vinda da terceira temporada.



Sucesso: "É com orgulho que anunciamos que os mortos continuarão vivos em uma terceira temporada de The Walking Dead", declarou o presidente da AMC, Charlie Collier. "Agradecemos a todos que contribuíram para fazer deste seriado uma experiência única na televisão."
A estreia da segunda temporada nos Estados Unidos quebrou recordes de audiência para um programa de TV a cabo feito para público entre 18 a 49 anos, uma marca que já durava dez anos. Foram 7,3 milhões de telespectadores. O sucesso se repete em outros mercados. No Brasil, o seriado é transmitido pelo canal Fox, que também teve um recorde de audiência com o seriado. 
Em 2010, The Walking Dead foi indicado ao Globo de Ouro na categoria Melhor Série Dramática, e venceu o Emmy Award de 2011 pelo trabalho de maquilhagem dos zombies. E a terceira temporada seguiu quebrando recordes.




Minha opinião da série:

Como sou cinéfilo, demorei muito para me entregar e assistir TWD. Acontece que tempo é algo raro hoje em dia. Quando se dedica à filmes sobra pouco tempo para seriados. Mas dei uma chance à TWD, já que era tão bem falada. Acabei virando um fã de carteirinha. A primeira temporada foi excelente, simplesmente desalentadora e chocante. O primeiro episódio é um dos mais espetaculares capítulos de série televisa. Toda a grandiosa estrutura criada pela equipe é de cair o queixo. As cenas assustadoras e chocantes com uma qualidade de humilhar muitos filmes de terror fazem você esquecer de que está assistindo a uma série. 
Coitado do Rick! Com um olhar desiludido, humilde e perdido; vamos acompanhando sua tortuosa jornada. Após ele ser baleado e ficar em coma, acorda em um mundo devastado por um vírus altamente contagioso que transforma os infectados em zumbis. Onde estão todos, incluindo sua mulher, filho e melhor amigo? Caminhando estrada à fora e aprendendo a lutar contra as criaturas, o final do primeiro episódio é espetacular, com Rick se refugiando dentro de um tanque para escapar de um bando de mortos vivos, enquanto estes comem seu pobre cavalo. É aí que alguém faz contato pelo rádio. Assim Rick entra em contato com um grupo de sobreviventes. Com o passar dos episódios da primeira temporada, Rick encontra sua família vivendo com seu melhor amigo, algo complicado de aceitar, mas difícil de julgar devido ao mundo e a situação em volta. A primeira temporada teve 6 episódios, onde destaco os dois primeiros e o quarto; são os mais surreais de todos. Mas a revelação do sexto episódio também, dá o que falar. Todos estão infectados, basta morrer ou se ferir muito para virar um zumbi.


Trailer da primeira temporada, dê pausa no tema de Star Wars ao lado:



A segunda temporada entra arrebentando, com um episódio eletrizante e acontecimentos incríveis. Nos episódios seguintes há uma incrível jornada de descobertas humanas. A primeira metade da segunda temporada fica centrada no suspense psicológico e desenvolvimento dos personagens. Há muitas subtramas e dramas pessoais. Alguns não gostaram disto alegando que deixou a série lenta. Eu discordo, pois somente assim ficamos conhecendo e se apegando às personagens. Mas lá pelo sétimo episódio a coisa começa a esquentar. Temos um final chocante e incrível. Desalentador e frio! E daí em diante não para mais. Até o 13° e último da segunda temporada o bicho (o zumbi rsrs) pega. Os conflitos internos de cada personagem se deparam com mortes de heróis, divisões, ataques de zumbis e muita, mas muita pressão. Você fica sem ar à cada novo episódio. Até que o 13° encerra com chave de ouro, deixando brechas para a terceira e mais promissora temporada de todas.

Trailer da segunda temporada:



Eis que sai a terceira temporada sai no final de 2012, chocando muito! Faço uma pergunta a quem é fã da série: o que foi tudo isso até aqui? Uma correria desenfreada sem tamanho. Mal nos recuperamos de um golpe e vem outro. Surreal! Personagens lunáticos e psicopatas em tudo que é lado. Os humanos ainda vivos são mais perigosos que os mortos vivos. Não há nada mais aterrorizante do que a natureza humana. TWD também explora isso. A terceira temporada nos apresenta uma heroína: Michone; com sua espada samurai. Mas também nos traz de volta o Merle (lunático lá do segundo episódio da 1° temporada da série) e nos apresenta o vilão do ano: o governador. Parece um cara legal, mas é um dos mais desequilibrados personagens da televisão. E o que foi o quarto episódio desta terceira temporada? O mais chocante e melancólico capítulo de todas as séries de 2012. Dois amados personagens morrem, um em especial de maneira perturbadora. 

Trailer da terceira temporada:



No momento a série está em pausa. Sempre tem essa pausa no meio da temporada, na virada de ano. A volta em Fevereiro promete. Na HQ pelo menos essa fase da prisão e do governador é a mais insana. Esperemos por muita coisa. Por enquanto a terceira temporada acabou no 8° capítulo, onde tivemos cenas de luta e perseguições de tirar o fôlego. Aguardamos até Fevereiro com ansiedade para ver o 9° e os próximos capítulos. 

Torço para que a equipe de TWD mantenha a qualidade e continue a nos surpreender com esta, que é uma das mais espetaculares séries de todos os tempos. 

Série NOTA: 10

Atualização:


Com a volta e o término da terceira temporada, estava na hora de comentar sobre. Terá SPOILERS, então se não assistiu NÃO leia. O final desta ousada e esperada terceira temporada foi polêmico e divisor de opiniões. Porque? Ora, a primeira temporada foi experimental, teve apenas 6 capítulos e mesclou terror, ação e drama psicológico. Como deu certo, tivemos a segunda temporada com 13 capítulos, onde a primeira metade foi parada e mais calma, mas com dramas e  aprofundamento de personagens. Lá pela metade a coisa pega, esquentando a cada novo episódio e terminando com os 2 últimos episódios de maneira chocante e perfeita. E como já havia comentado, a primeira metade da terceira temporada é fantástica, eletrizante; entregando 8 episódios insanos e surreais. O que aconteceu foi que sua volta, esta metade final de temporada, foi calma e dramática, fazendo o caminho inverso da temporada anterior. Tanta coisa rolou na metade inicial (onde destaco os 4 primeiros e o 8° episódios), que não restou muito o que surpreender na sua volta. A qualidade visual continuou ótima. Boa maquiagem e computação gráfica. Cenas de zumbis, cortes e sangue com realismo. Destaque para uma cena onde mortos vivos são queimados, recebendo um efeito de carne podre carbonizada surreal.

Tivemos questões de família, de namorados, dramas psicológicos, um Rick desequilibrado, um Governador tramando todas, capangas e coadjuvantes mudando de lado, Andrea sem saber o que fazer, zumbis morrendo facilmente e toda uma tensão pré-guerra entre o grupo de Rick e do Governador. Guerra essa que não ocorreu! A grande maioria odiou o episódio final, onde a tal guerra "não ocorre". Realmente eu estava esperando a guerra, mas de certa maneira fui surpreendido pela originalidade do episódio. The Walking Dead é assim mesmo, cheio de trapaças. Nada ocorre como esperamos. Todo mundo estava louco pra ver Rick matando o desgraçado do Governador, e seus capangas serem mortos. Todo mundo esperava a Andrea finalmente fazer algo e quem sabe ela mesma dar cabo do Governador. Aliás, perceberam que tudo que o público esperava envolvia ele? Sem dúvidas esta temporada foi sobre ele, e é por isso que o Governador não morreu.

A tal guerra até aconteceu, mas não da maneira que esperávamos. Foi uma guerra psicológica, onde devido ao desequilíbrio do vilão, ele mesmo deu cabo da vida de seu povo. Pode não ter tido a ação que a maioria esperava, mas mostrou o quanto esta personagem do Governador é insana e imprevisível. O ataque que deu nele levou a balear os seus próprios, numa sequência que mostrou claramente que ele é um desequilibrado. Quanto a Andrea, é difícil falar dela. Era chata e melodramática na primeira temporada. Mesmo que com alguns erros, ela se tornou uma importante guerreira na segunda temporada, onde acabamos criando carisma por ela. Nesta terceira temporada, ela oscilou entre chata e dividida. Em momentos estava sendo política, tomando o lado do Governador, no qual chegou a ter um caso. Em outros momentos, sua consciência dizia que este homem era perigoso e que ela devia tomar o lado do grupo do Rick. No final das contas, ela não teve tempo de tomar um lado. Fica a lição de nós nunca demorarmos a tomar uma atitude. 


O final da temporada não foi tudo que podia ser, mas mesmo assim gostei, por tomar rumos inesperados. Como li em certo comentário na internet, The Walking Dead não é novela, então não espere uma guerra onde os mocinhos matem todos os vilões. E isso ficou claro no episódio final, que foi diferente, mas mesmo assim forte e bom. Foi uma temporada forte e violenta. 16 capítulos sangrentos, onde perdemos 4 dos nossos protagonistas principais. No episódio 4 foram T-Dog e Lori. No penúltimo capítulo foi o Merle, que conseguiu sua redenção fazendo o certo e cumpriu um papel fundamental para enfraquecer o grupo do Governador. E no último capítulo perdemos Andrea, de uma maneira que ninguém imaginaria. Vários coadjuvantes que foram surgindo nesta terceira temporada também morreram. Cada vez que um se destacava, com a promessa de ser um novo herói, morria. O de maior destaque sem dúvida foi Milton, que era do lado do Governador, mas assim com Andrea, era bom. Mas ambos demoraram a tomar uma atitude de matar o Governador, e acabou que o Governador matou os dois de uma vez só, neste último episódio. O vilão Governador foi sem dúvidas o grande ponto forte do ano. Mas Michone e Rick também se destacaram, além do insano retorno de Merle.

Quem lê sempre vai preferir a HQ. É compreensível, já que em literatura sempre é melhor e mais completo. The Walkind Dead ainda tem um grande potencial de arrebentar na quarta temporada, desde que comece a surpreender de novo. Não sei bem o que teremos na quarta temporada, mas espero que a série não tenha muitas sequências. Séries boas são séries curtas, pensadas e executadas no momento certo. Podem começar a encerrar a série numa quinta ou sexta temporada, de maneira chocante e perfeita; cacife pra isso tem. É esperar pela nova temporada, só lá pra Outubro deste ano. Estaremos no aguardo, mesmo que com um gostinho amargo na boca. Mas talvez este gostinho seja bom e todos nós sejamos masoquistas.




Top 5 cenas marcantes da terceira temporada:

5°- Final do episódio 10, onde o Governador ataca com seus capangas e um carro lotado de zumbis, dando um tiro na cara e matando o pobre Axel. Quando tudo parece perdido, com zumbis e tiros por todo lado, Daryl e Merle (que haviam partido), retornam salvando a todos, numa cena incrível. Michone e sua espada samurai ceifam zumbis, esparramando sangue pelo campo. Grande sequência de batalha.



4°- No episódio 2, alguns criminosos na prisão davam trabalho para Rick. Pensei que os caras iriam incomodar por alguns episódios. Que nada! Rick mostra ser um líder que faz o que tem que fazer, dando fim na vida dos caras. Destaque para o mais insano deles, que sentia prazer com sangue e em matar zumbis. Sem ter qualquer chance, Rick pega um facão e crava no crânio do cara. Cena sangrenta e impressionante, top demais.


3°- Um momento épico da TV americana foi este 8° episódio, onde o Governador e a Michone  tem uma luta chocante. Michone entra "no covil do lobo" e mata a filhinha zumbi do cara. Ele fica possuído por um ódio, que a espanca violentamente. Ele tem vários vidros e aquários com cabeças de zumbis e pessoas mortas. Destaque na cena que ele mergulha a Michone em um destes aquários macabros. Mas ela dá o troco, arrancando o olho do cara! Uma das mais perfeitas lutas em uma série de TV.


2°- O final do 15° episódio, o penúltimo. Merle, aquele cara que todos amamos odiar. Crápula, violento, cruel; mas necessário. Após tantos erros cometidos, ele caminha para mais um, levando Michone para o Governador. Mas chega o momento em que ele faz o certo, em sua atitude de redenção épica. Ele solta Michone, vai até o Governador e manda vários zumbis atacar o grupo do vilão. Então ele começa a atirar, dizimando vários capangas. O Governador dá um fim no nosso querido BadBoy, com um tiro na fuça. Em seguida, Daryl, o irmão de Merle, o encontra como zumbi. Cena de rachar o coração, Daryl chorando e se recusando a "matar" seu irmão, até que cria coragem e dá vários golpes. Daryl é o predileto da maioria (me incluo nestes), e fez o que tinha que fazer. Pelo menos Merle cumpriu seu papel, deixando fraco o grupo do inimigo. 


1°- O final do episódio 4. Em um terrível ataque de zumbis esparramados pela prisão, T-Dog morre salvando Carol de maneira heroica. Mas não foi só isso, Lori (odiada por muitos), também morre. Em pleno ataque zumbi, ela entra em trabalho de parto. Mas devido a tanta coisa e estresse, ela perde muito sangue. Sua menininha nasce viva e sadia, mas ela logo começa a morrer. Carl, seu filho, assiste à tudo. Então o menino faz o que deve fazer e atira em sua mãe, para esta não ser mais um zumbi. Chocante, melancólico, triste e frio. Cru como deve ser. Rick, que fica atrapalhado matando os zumbis, é pego de surpresa quando fica sabendo que: a filha de seu melhor amigo com sua mulher acaba de nascer, mas esta morre, o único filho legítimo deles, é obrigado a matar sua mãe. Um frio e desesperançoso choro do nosso herói é como termina o episódio, sendo o mais marcante de toda a série. Não há redenções para nossos heróis. 

A divisão de águas:

O contraditório episódio final, número 16, onde não ocorre a guerra, o grupo de Rick se salva e aumenta, o Governador surta e mata quase todos de seu próprio grupo, deixando apenas seus 2 braços direito. Andrea e Milton morrem, sem conseguirem se redimir e escolher o lado certo. "Eu tentei", diz Andrea. Tentou mas não conseguiu. O pessoal de Rick está grande e forte, esperançoso de ser uma grande família feliz. Mas isto com certeza está com seus dias contados. 

O que eu espero da quarta temporada: mais tragédias inesperadas, menos drama e romance nos episódios finais (nos iniciais pode). Um Rick mais equilibrado, um Daryl mais insano. Michone bradando sua espada samurai, Carl se tornando um jovem violento. Algumas tristes mortes de personagens queridos. E acima de tudo, que o Governador não faça nenhum tipo de aliança com Rick. É comum em várias séries vilões de uma temporada fazer uma aliança e virar do bem para combater um outro inimigo em comum. Mas isso sempre é forçado e espero que não aconteça. Será que na próxima temporada teremos o outro vilão, mil vezes pior que o Governador? Na HQ ele anda incomodando. Bem, é esperar para ver, no retorno de The Walking Dead, somente em Outubro.




Trailer da terceira temporada:






Bônus: os personagens de The Walking Dead.

Meus personagens preferidos:

Rick Grimes, nosso herói:
Daryl Dixon, braço direito de Rick e ousado:
Merle Dixon, irmão mal e insano de Daryl:


Shane, insano entre o bem e o mal:


Governador, vilão de gelar a espinha:


Glenn, ágil, sincero e simpático herói:


Maggie, linda e ajudadora namorada de Glenn:


Michonne, guerreira que porta uma espada samurai:


DALE, a voz sábia do grupo:


HERSHEL GREENE, pai de Maggie e patriarca de todos:


Carl, filho de Rick, vai crescendo e fazendo o que tem que fazer:





Outros personagens:

Lori, mulher de Rick e mãe de Carl, é chata e complicada:


Andrea, vai e vem de útil e inútil:


Carol, ganha força com o tempo:


T-Dog, sem brilho no início mas virou herói:



SOPHIA, filha de Carol; tem uma das cenas mais chocantes da série:


Beth, irmã sem sal de Maggie:






Mais Wallpapers e fotos de The Walking Dead:














 

































  
















 
















































   





















O Vigilante da Noite

Um comentário :

  1. Watch the walking dead season 4 Online.
    All episodes of season 4 in streaming for free
    without any ads! Enjoy

    ResponderExcluir