CRÍTICA : THE TALL MAN






Sempre gostei muito de terror e suspense. Acabo olhando a maioria e gostando de muitos, já que são feitas dezenas desses filmes. Mas devo dizer que poucos entram para a seleta lista de meus filmes de terror e suspense favoritos. Os critérios que eu uso são: o fator surpreender, reviravoltas, roteiro inteligente, boas atuações, algum tipo de crítica; além do mais importante, final ambíguo e aberto para várias especulações. Nos últimos anos alguns atenderam minhas expectativas, como: Abismo do Medo, O Grande Truque, Paranoia, O Nevoeiro, A Última Casa, Ilha do Medo, Triângulo do medo, o blockbuster A Origem e recentemente aqui no blog eu falei de The Cabin In The Woods. Agora outro chegou a esse patamar: The Tall Man, também chamado de The Secret.

Enredo: a escuridão paira sobre a cidade: as crianças têm desaparecido ao longo dos anos deixando nenhuma pista, nenhuma testemunha. Moradores supersticiosos falam sobre um homem alto, uma lendária figura misteriosa que leva as crianças. Julia (Jessica Biel) é uma enfermeira que não acredita em lendas. Até que uma noite, acordando com uma sensação estranha, ela vai ao quarto de seu filho e encontra sua cama vazia.

Elenco: Jessica Biel , Jodelle Ferland, Stephen McHattie e William B. Davis.

Trata-se de um suspense com cargas dramáticas, porém diferente do que vimos até aqui. Afinal o que tem de diferente nesse filme? Começando pelo fator roteiro e atuação, o filme é incrível. Nada deixa a desejar e tudo se encaixa perfeitamente. Eu sempre achei que assuntos mais realistas são bem mais assustadores do que fantasiosos. E é nisso que o filme se agarra para ser assustador. E consegue! Afinal o que pode ser mais assustador do que seu filho ou sua linda filhinha desaparecer? O diretor Pascal Laugier se firma nisso para criar um clima de suspense de tirar o fôlego, muito pouco visto nos cinemas até agora. Toda a trama em volta do tal de The Tall Man (traduzindo seria O Homem Alto) é muito eficiente. Crianças e seus pais tem medo do tal homem que supostamente sequestra crianças.

O roteiro é extremamente original, fugindo do óbvio e de todos clichês. Podemos dividir o filme em três partes: o início misterioso com todos elementos que apontam que o filme será apenas mais um suspense; o meio extremamente bem tramado, onde estão as cenas de ação e todas as reviravoltas que te deixam bem perdido e impressionado; e o final que explica e tenta mostrar o motivo de tudo. É arrebatador e incrível. Faz-nos pensar em quando é necessário fazer algo bom com meios ruins. Isso merece nossa atenção.









Jessica Biel tem uma das melhores atuações de sua carreira, e devo dizer que seu papel no filme é um dos mais surpreendentes que já vi. Sabe a típica mulher heroína dos filmes de terror? Esqueça isso de vez. Aqui o roteiro brinca com sua mente, mudando o foco e a trama no mínimo 3 vezes. Por ser lançamento e a maioria não ter visto tentarei não largar muitos spoilers, mas é difícil. Mesmo assim devo dizer que o herói e o vilão do filme são abstratos, afinal quando o assunto é o futuro do planeta nas mãos das nossas crianças, o que define o que é certo ou errado? O que é aceitável para dar à alguém um futuro melhor?

O filme tem sim um suspense de primeira linha, perseguições, sangue e um visual sinistro. Mas também tem uma fotografia incrível, aproveitando as paisagens lindas da cidadezinha. Outro trunfo do filme é a ótima sequência de ação e correria no meio do filme, onde tem luta, capotagem de carro e reviravoltas chocantes. Por que isso no meio do filme? Para dar o tom e o empurrão ao final ambíguo, que deixará e criará discussões em muitos. Você não espera pelo que vai ver. Aposto que por isso muitos não gostarão do filme. É primorosa e elogiável a coragem da equipe em fazer um filme de suspense feito para refletir nas famílias e suas bases abaladas.

Dizem que a arte copia a vida. Pensando nisso foi criado esse suspense eletrizante, mas que no fundo é voltado para nos chamar a atenção. Uma família onde o pai bebe e é violento, uma senhora que mora no lixão, entre tantos outros casos de lares não próprios para crianças; que futuro essas crianças poderão ter? Serão elas mais uns adultos irresponsáveis? Pensando nisso o final do filme nos mostra que os vilões podem não ser tão maus assim, eles apenas usam meios errados. Claro que mesmo que um pai seja alcoólatra e violento, ele ainda amará seu filho. Mas ele tem condições de cuidar dele? Continua com o direito de ter seu filho, já que está botando a vida da criança em risco?

Um dos filmes mais provocantes já feito. Usando a ficção para nos alertar, The Tall Man já é um clássico! Cerca de 800.000 crianças desaparecem somente nos Estados Unidos, todos os anos. Umas 100.000 nunca serão encontradas. Para onde estão indo nossos filhos desaparecidos? Não há nada mais assustador do que a realidade.

NOTA: 10















O Vigilante da Noite

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário