Crítica: A Noite do Jogo (2018, de Jonathan Goldstein XII e John Francis Daley)



Se você está sentindo falta de uma boa comédia, daquelas que arrancam gargalhadas ao extremo, fique despreocupado(a), pois A Noite do Jogo é o filme para acabar com esse problema da escassez do gênero. Com uma dupla de diretores que conseguem passar uma visão bem humorada, a comédia nos entretêm do começo ao fim, com personagens bem descontraídos, além de suas altas referências, que fazem com que o filme contagie o público.

De imediato, somos apresentados ao futuro casal, Max (Jason Bateman) e Annie (Rachel McAdams), que cruzam os seus destinos em mais uma competição de perguntas e respostas. Logo, os dois se apaixonam, namoram e casam. Após este lapso de resumo, já estamos centrados ao casal em mais um dia para o hobby semanal com o seu grupo de amigos: a noite do jogo (trocadilho com o título); sempre tentando despistar o vizinho "esquisito", Gary (Jesse Plemons), um policial local que vive uma vida solitária e pacata junto com o seu cãozinho, após a morte de sua esposa. A chegada do irmão mais velho de Max, Brooks (Kyle Chandler), um cara que sempre tenta ser mais soberbo que os outros, só contribue para rechear esta história. Ele é o pivô das coisas começarem a cair na "desgraça" após uma noite de jogos em sua mansão, no qual envolve uma espécie de game ao estilo CSI.


A partir daí, o filme começa a surpreender, o roteiro consegue criar uma ambiguidade na tensão que existe dentro do jogo proposto, já que as coisas não saíram com o previsto para a noite. Além disso, o elenco tem suas características para conquistar o público, começando pelos protagonistas. Jason Bateman, tem uma atuação já vindoura de outros personagens cômicos que  realizou, seguro e bem humorado. Rachel McAdams, é a grata surpresa da trama que transcende todo o seu talento cômico, ligado à excentricidade da sua personagem, que  demonstra um dos seus melhores papéis na carreira.  Billy Magnussen e Sarah Horgan, entregam também uma ótima química, enquanto ele é uma espécie de saudoso Joey, de Friends, ela é a sensata parceira que agrega a inteligência entre os dois. Morris e Bunburry, também entregam seus esteriótipos simpáticos, ainda mais que esse arco sempre fica ligado a um fato bastante engraçado em toda trama. O que realmente consegue ser uma das reviravoltas bem elaboradas do filme, é o personagem de Jesse Plemons, o policial Gary, que passa de enigmático e "seduz" a simpatia do público.


Outro destaque vai para a montagem do filme. No jogo, há grandes referências para outras produções, sendo citado, por exemplo, O Incrível Hulk, e essa abordagem referencial acaba dando alívio para a tensão do filme, além de a linguagem cinematográfica conseguir prender a atenção do público. As ótimas cenas de ação, por mais que deixem a desejar em alguns pontos, entretêm e te colocam como se realmente estivessem dentro da trama, fato que se apresenta pela câmeras na parte de trás do carro, simulando um game em terceira pessoa e, ainda, no plano sequência, mesmo com leves cortes, na fuga do nosso elenco após conseguir recuperar um artefato valioso. A trilha sonora também se encaixa perfeitamente, relembrando muito as sonoridades dos fliperamas que fizeram sucesso no século passado.


A Noite do Jogo consegue reviver o gênero da comédia com bastante inteligência. A premissa não parece convencer o público inicialmente de cair nos clichês de ser mais um besteirol sem propósito algum, mas nessa gangorra de equilíbrio entre emoções, ações e humor que o filme consegue estabilizar o propósito de encontrar um escape, acaba surpreendendo a todos. É uma ótima opção de entretenimento após os vislumbres e ascensão dos filmes de heróis e terror. Entra fortemente como um possível candidato a ser lembrando com um dos melhores filmes de 2018, em minhas apostas.



Título Original: Game Night 

Direção: Jonathan Goldstein XII e John Francis Daley

Elenco: Jason Bateman, Rachel McAdams, Kyle Chandler, Saron Horgan, Billy Magnussen, Lamorne Morris, Kylie Bunbury e Jesse Plemons

Sinopse: Max (Jason Bateman) e Annie (Rachel McAdams) participam de um grupo de casais que organizam noites de jogos. O irmão de Max, Brooks (Kyle Chandler), chega decidido a organizar uma festa de assassinato e mistério e acaba sequestrado, levando todos a acreditarem que o sumiço faz parte da misteriosa brincadeira. Os seis amigos competitivos precisam então resolver o caso para vencer o jogo, cujo rumo vai se tornando cada vez mais inesperado.

TRAILER:

Curtiu a nossa crítica? Comente e não dei de navegar em nossas redes sociais!

Fagner Ferreira

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário