Crítica: Acertando o Passo (2017, de Richard Loncraine)


É com imenso prazer que escrevo a crítica sobre esta deliciosa comédia britânica! Para aqueles que ainda não sabem ou talvez não nos acompanhem em nossas redes sociais, fomos nós os responsáveis por dar o título oficial deste filme aqui no Brasil, através de um convite da Califórnia Filmes. Dá pra entender porque ficamos honrados em falar sobre esta comédia leve, divertida, com um elenco de peso e, acima de tudo, com uma linda mensagem sobre a vida, não é verdade?!



Inicialmente somos apresentados à Sandra (Imelda Staunton), uma socialite casada com um policial veterano, Mike (John Sessions), que está comemorando sua promoção para um alto cargo. Aliada a esta promoção, está a tão sonhada aposentadoria, que permitirá ao casal, além dos títulos mais nobres, viajar e passar mais tempo juntos. O que Sandra não esperava era descobrir, em plena celebração, na frente de todos os convidados e sua filha, que seu marido sustenta um caso de anos com uma amiga próxima.



Desolada, Sandra sai de casa, em parte pelo orgulho ferido, em parte pela vergonha diante de todos, e vai para a casa de sua irmã, Bif (Celia Imrie), ou ainda mais formalmente, Elizabeth, que ao contrário de Sandra, é a típica bon vivant, que vive a vida com intensidade e não dá a mínima para o que os outros pensam. 

Bif ainda tem um amigo, Charlie (Timothy Spall), que é um de seus colegas da turma de dança para idosos, curte um bom baseado, vive em um barco e trabalha consertando móveis. Charlie e Bif, inicialmente, batem de frente com Sandra, pois ela ainda carrega sua personalidade arrogante, ignorante e prepotente. Mas logo Sandra vai aprendendo como aquele estilo de vida pode lhe proporcionar uma nova forma de enxergar o mundo e assim reatar os laços com sua irmã e redescobrir, por que não?, o amor, com Charlie. 



A premissa não é nada nova, aliás, os clichês são recorrentes e o roteiro não é dos mais originais. Contudo, esta é uma comédia de um humor muito inteligente e leve. O humor britânico é diferenciado, sendo muito mais requintado e mais recatado do que o humor americano, por exemplo, que por diversas vezes se utiliza de material de quinta para se promover. Aqui não temos nada disso. Pelo contrário, as risadas que se dão são mais um exercício de inteligência do que o simples fato de rir por rir. Também pudera: com um elenco que dispensa todos os elogios possíveis, não seria diferente termos uma obra enxuta no quesito interpretações. O único que, a meu ver, parecia um pouco desconfortável, o que acredito ser mais pelo fato de o roteiro ser mais fraco, era Timothy Spall... Mas não é nada que estrague sua experiência com o filme, afinal, o personagem em si é carismático por demais, assim como todos. Pode confiar!



O fato de o elenco ser essencialmente de excelentes atores da melhor idade e o filme tratar do amor maduro, mesmo que, como dito anteriormente, recheado de clichês, são os pontos mais positivos da trama. 

Entre frases sábias ditas por Bif, os dramas que cada personagem tem que enfrentar, afinal de contas, eles carregam nos ombros a experiência de muitos anos, o que incluem os relacionamentos e até a própria saúde; a forma como encontram na dança um modo de se soltarem e entrosarem, a maturidade com que enfrentam os golpes da vida, tudo isso remete a várias reflexões que podem ser feitas à medida que vemos a evolução de Sandra: sua trajetória, que vai desde modificar o próprio penteado, até se desprender do relacionamento que nada lhe agrega e, a partir de então, retomar sua essência e laços e dar um voto para uma nova vida, encanta e emociona. 


Nossa escolha para o título se baseou justamente nesta famosa frase de duplo significado muito comumente utilizada no Brasil. Acertar o passo remete a dar um rumo à uma trajetória, tomar as rédeas da situação e direcionar o caminho. O que também se aplica à dança, uma vez que em uma coreografia, para que tudo fique perfeito é preciso primordialmente, acertar o passo.




Título Original: Finding your feet

Direção: Richard Loncraine

Elenco:
  Imelda Staunton, Celia Imrie, Timothy Spall, Joanna Lumley, David Hayman, Josie Lawrence, John Sessions, Indra Ové, Marianne Oldham, Victoria Wicks.

Sinopse: Quando ‘Lady’ Sandra Abbott (Imelda Staunton) descobre que seu marido, com quem é casada há cerca de 40 anos, está tendo um caso com sua amiga, ela busca refúgio com sua irmã Bif (Celia Imrie), com quem tem pouco contato. Elas não poderiam ser mais diferentes e Sandra é um peixe fora d´água perto de sua irmã, que não tem papas na língua, fica com quem tem vontade e se sente livre. Sandra então, mesmo relutantemente deixa Bif a arrastar para sua aula de dança, onde ela gradualmente começa a acertar seus passos... e também encontra romance. Nessa hilária e emocionante comédia moderna, um colorido grupo de ‘baby-boomers’, provocadores e cheios de energia mostra a Sandra que a aposentadoria é só o começo, e o divórcio pode dar a ela uma nova visão da vida e do amor.


Trailer:


Curtiu a crítica? Gostou do nome brasileiro? Conte-nos e não se esqueça de nos seguir nas redes sociais!

Eduarda Souza

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário