Crítica: O Destino de Uma Nação (2017, de Joe Wright)


E novamente - dentre os filmes que estreiam nessa época do ano - temos um filme do Reino Unido, cujo está entre os nomes de indicados as grandes premiações que ocorrem nessa época. Desta vez, se trata de uma história que, em partes, é conhecida pelo público que assiste The Crown e, em partes, conhecida pelo público amante da história mundial. Com o foco em uma personalidade marcante interpretada por Gary Oldman, e dirigido por Joe Wright, temos, O Destino de Uma Nação.

Winston Churchill (Gary Oldman) está prestes a encarar um de seus maiores desafios: tomar posse do cargo de Primeiro Ministro da Grã-Bretanha. Paralelamente, ele começa a costurar um tratado de paz com a Alemanha nazista, que pode significar o fim de anos de conflito.


Apesar da lógica “falta com a verdade” presente em vários filmes baseados em fatos reais, O Destino de Uma Nação se sai muito bem nisso, mostrando o que precisa com qualidade e coesão. Obviamente isso é mérito tanto de roteiro, como de direção, mas o que gostaria de salientar aqui é a edição.

Contar uma história nem sempre é algo fácil de fazer, principalmente no ritmo proposto por esse filme. As coisas acontecem bem rápido, mas não de uma maneira enxuta ou que engole outras coisas, e sim, de uma maneira que imerge, e ainda mais, contagia o espectador. Não é apenas fatos mais fatos e outros fatos, são uma sequência de acontecimentos importantes, com ângulos bem feitos, dinâmicas de roteiro e alívios tanto cômicos como suaves da tensão ali calculada.


E claro, isso não é apenas um trabalho de edição - como já citado - é também um trabalho de direção e roteiro. Joe Wright dirige o filme muito bem, trás dinâmica em seus enquadramentos, ótimos jogos de câmeras e ângulos, de tal maneira criando uma ótima experiência de filme. Além do excelente trabalho de Anthony McCarten, que faz um roteiro que trabalha muito bem cada linha de enredo do filme.

E é lógico, falar desse filme também é falar da premiada atuação de Gary Oldman. Ele está gigante aqui, faz jeitos e trejeitos da famosa personalidade Winston Churchill, além do sotaque, voz, jeito de andar, enfim, ele está fantástico, digno de todos os prêmios recebidos até aqui (#VemOscar).


Fora isso, temos uma maquiagem exemplar, Gary Oldman está irreconhecível, além de todo um figurino e design de produção magníficos. Tecnicamente é um grande filme.

Por fim, O Destino de Uma Nação conta uma história que já conhecemos, seja pela escolha, por hollywood, ou buscas pessoais mesmo, mas que enriquece e traz emoção a algo tão simples em leitura, mas grande em ação. Recomendável a todos os públicos, um ótimo filme.


Título Original: Darkest Hour

Diretor: Joe Wright

Elenco: Gary Oldman, Lily James, Ben Mendelsohn, Kristin Scott Thomas, Stephen Dillane.

Sinopse: Winston Churchill (Gary Oldman) está prestes a encarar um de seus maiores desafios: tomar posse do cargo de Primeiro Ministro da Grã-Bretanha. Paralelamente, ele começa a costurar um tratado de paz com a Alemanha nazista, que pode significar o fim de anos de conflito.

Trailer:


Gostaram do filme? Ainda não assistiram? Gostaram da crítica? Comente pra gente :D

Vinícius Dellvale

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário