Crítica: Lady Dynamite - 2ª Temporada - Netflix


Como você reage aos seus defeitos? É daquele(as) que ri da situação ou transforma sua insegurança em loucura? Em Lady Dynamite observamos a insanidade de seus personagens de uma forma divertida e criativa.

Como eu não canso de dizer, adoro comédia ou séries que os protagonistas diferem de pessoas normais.



Acredito que quando o personagem principal possui peculiaridades esquizofrênicas, a trama é enriquecida, pois sempre que acontece algo lúdico que não estava previsto na trama, você se surpreende.

Esta crítica tende a passar o mínimo possível de spoilers, mas em algum momento, certamente eles aparecerão. Então, se você tem aversão à eles, sugiro que assista a série antes de ler.



Lady Dynamite continua a saga de Maria Bamford (uma comediante estaduniense de stand up comedy), levemente baseada em sua história de vida, onde diagnosticada com TOC (transtorno Obsessivo Compulsivo) e Transtorno Bipolar, transforma sua patologia em algo divertido e único. 

O mais interessante desta temporada, são os flashbacks que ela tem para chegar até o ponto principal da trama, seu casamento com o namorado Scott. 

Nestes flashbacks, que contam parte das aflições e estórias que influenciaram a vida de Maria, coisas absurdas acontecem.



Diferentemente de outras séries que possuem estórias mirabolantes, o enredo de Lady Dynamite faz muito sentido na cabeça da protagonista, porque, por mais absurdo que pareça, é aquilo que ela vê em sua mente exagerada, compulsiva e bipolar. Suas ideias grandiosas fazem contraponto com sua voz e atitudes infantis e imaturas.

O nome da série também faz muito sentido, porque dinamite, remete a ideia de que ela pode explodir a qualquer momento (o que realmente aconteceu em sua vida quando foi hospitalizada com crises psicológicas).



Apesar de nonsense, a comédia é bem estruturada e sutil, já que ela lida com um tabu de pessoas com distúrbios psicológicos, levando em conta que a própria protagonista pode brincar com este tema tranquilamente, pois baseia-se em sua vida.

Nesta temporada, observamos a volta de Maria para as TV depois de sua crise e os conflitos com sua família, seu agente, sua nova vida, e também a tentativa de auto controle, aprendendo a dizer não, fazer concessões e tentar sobreviver em meio às suas crises nervosas.



A história traz um inception (metalinguagem) e uma brincadeira com a própria Netflix, onde assistimos uma série absurda dentro de outra série absurda.

Observamos também diálogos e monólogos estranhos dela com seus Pugs (cachorros) e outros animais, que na primeira vista parecem sem sentido, mas, parando para pensar, quantos de nós, que temos animais, não conversamos com eles, e na nossa cabeça eles respondem? 

A Fotografia é bem psicodélica e interessante, já que utilizam muitas cores vibrantes e tons de roxo e azul, que deixam a atmosfera mais mágica e intuitiva.



Os episódios são bem curtos e envolventes; servem para "maratonar" em uma tarde tranquilamente.

Na trama, as amigas de Bamford são um show a parte; destaque para a divertidíssima e fora do comum, Ana Gasteyer, como Karen, que deixa a história ainda mais complicada com suas escolhas profissionais para Maria.



Para quem curte séries diferentonas esta é uma daquelas pérolas que encontramos na Netflix e que valem ser assistidas para nos distrair da monotonia.

Recomendo e com certeza vale a diversão. Você vai se identificar com alguns pensamentos surreais da personagem, e pensar que também possui insanidade na sua sanidade. Só não leva nota maior porque com certeza não agradará a todos.





Título Original: Lady Dynamite

Direção: Anna Dokoza Benjamin Berman Pam Brady Robert (I) Cohen Ryan McFaul

Elenco: Maria Bamford, Fred Melame, Mary Kay Place, Ólafur Darri Ólafsson, Ana Gasteyer, Ed Begley Jr., Lennon Parham, Bridget Everett.

Sinopse: A vida da comediante Maria Bamford - ou o que ela aceitou como sua vida - é contada através de segmentos por vezes surreais que cobrem momentos diversos de sua vida.


TRAILER : 

E você? Já Assistiu Lady Dinamite? O que achou? Conte para nós. Curta e Compartilhe com os amigos :)

@LillyDzura

Criativa, Cinéfila, Curiosa, acredita que os filmes influenciam em sua vida como lições que podem ser aprendidas sem que aquilo tenha acontecido em sua vida. Acha que toda história tem dois lados e que sempre há alguma coisa de bom para ser aprendido no que deu errado.

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário