Trailer: Human Flow - Não Existe Lar Se Não Há Para Onde Ir


Dirigido por Ai Weiwei, Human Flow - Não Existe Lar Se Não Há Para Onde Ir tem estreia prevista no Brasil para o dia 16 de novembro de 2017. O filme retrata os desafios e dificuldades enfrentados por refugiados ao redor do mundo. Filmado em 23 países ao longo de mais de um ano, o longa documental reflete a trajetória de trabalho do artista, marcado pela questão dos direitos humanos em seu país e, nos últimos anos, pela crise global dos refugiados. 

Ai Weiwei já ganhou reconhecimento mundial pela sua abordagem do tema, como pode ser visualizado na obra Hands Without Bodies/Mãos Sem Corpos (2017), que foi escolhida para estampar o pôster da edição 2017 da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo.

A simbologia da arte no cartaz faz destaque a peça de mármore, qual pertence a um conselho do Israel Museum, em Jerusalém, que traz duas mãos se unindo, que claramente retrata a ideia do diretor em expressar que o futuro da humanidade está na força da conexão entre as pessoas; na união de todos. Logo, o que é explorado em Humam Flow - Não Existe Lar Se Não Há Para Onde Ir, é justamente a falta desse laço entre os seres humanos.


Sinopse: Mais de 65 milhões de pessoas em todo o mundo foram forçadas a sair de suas casas para escapar da fome, das mudanças climáticas e da guerra no maior deslocamento humano desde a Segunda Guerra Mundial. Human Flow, uma jornada épica conduzida pelo artista de renome internacional Ai Weiwei, dá uma expressão visual poderosa a esta migração humana maciça. O documentário elucida tanto a escala surpreendente da crise dos refugiados como o impacto humano profundamente pessoal. Filmado ao longo de um ano cheio de eventos em 23 países, o filme segue uma cadeia de histórias humanas urgentes que se estende por todo o mundo em países como Afeganistão, Bangladesh, França, Grécia, Alemanha, Iraque, Israel, Itália, Quênia, México e Peru. Human Flow é um testemunho de seus assuntos e sua busca desesperada de segurança, abrigo e justiça: desde os campos de refugiados, os perigosos cruzamentos oceânicos até as fronteiras de arame farpado; da deslocação e da desilusão à coragem, resistência e adaptação; da atração assombrosa de vidas deixadas para trás para o potencial desconhecido do futuro. O filme vem em um momento crucial em que a tolerância, a compaixão e a confiança são mais necessárias do que nunca. Esta obra visceral de cinema é um testemunho do inabalável espírito humano e coloca uma das questões que definirão este século: a nossa sociedade global emergirá do medo, do isolamento e do interesse próprio e escolherá um caminho de abertura, liberdade e respeito para a humanidade?

Trailer:

Galeria de Imagens:




Antecipo em dizer que esse filme é uma obra-prima obrigatória e merece ser visto! Não esqueçam de reservar o dia 16 de novembro de 2017 para essa reflexão necessária nos cinemas!

HELEN SANTOS

Um comentário :

  1. Excelente indicação! Obrigado pela dica,verei o filme sem dúvidas. A temática dos direitos humanos dos regiados tem sido pauta central dos órgãos intencionais, mas há muito a ser feito. Pelo visto o filme vai endossar ainda mais essa perspectiva. Vamos ver!

    Abraço
    Henrique

    ResponderExcluir