Especial: Minha Visão do Cinema recomenda!


Já se programou para a semana de feriado que vem aí pela frente? Se não for viajar e estiver com pouca grana neste fim de mês, não se preocupe, a equipe do Minha Visão do Cinema não vai te deixar na mão. Aproveitando as festanças de Halloween, nos Estados Unidos principalmente, o que seria o dia das bruxas por aqui, no nosso Brasil, preparamos um especial de filmes de terror/suspense para 'maratonar' em casa sozinho, com a amada(o) ou seus amigos que estarão na mesma situação que você. Então, se liga na nossa recomendação, prepare a pipoca, a sua bebida de preferência e dê play nos filmes!

Ana Paula indica:
Halloween (1978, de John Carpenter) e A Hora do Pesadelo (1986, de Wes Craven)


Não poderíamos começar da melhor maneira, com este clássico que leva o tema ao pé da letra. 

Michael Myers (Tony Moran) é um psicopata que vive em uma instituição há 15 anos, desde quando matou sua própria irmã. Porém, ele consegue fugir de seu cativeiro e retorna à sua cidade natal para continuar seus crimes na localidade que, aterrorizada, ainda se lembra dele.


Uma ótima opção para começar a maratona de filmes, neste feriado que se aproxima. Vamos seguir para o próximo!


Outro clássico que indicamos traz um dos personagens mais icônicos do gênero terror, Freddy Krueger. A Hora do Pesadelo é um dos filmes mais aterrorizantes, muitos não conseguem assistir, com o medo de não conseguirem dormir mais.

Um grupo de adolescentes tem pesadelos horríveis, onde são atacados por um homem deformado com garras de aço. Ele apenas aparece durante o sono e, para escapar, é preciso acordar. Os crimes vão ocorrendo seguidamente, até que se descobre que o ser misterioso é na verdade Freddy Krueger (Robert Englund), um homem que molestou crianças na rua Elm e que foi queimado vivo pela vizinhança. Agora Krueger pode retornar para se vingar daqueles que o mataram, através do sono.


Helen dos Santos indica: Invasão Zumbi (2016, de Sang-Ho Yeon) e Família Addams (1991, de Barry Sonnenfeld)


Agora uma produção sul-coreana que deixou os críticos perplexos com toda reflexão demonstrada sobre a fraqueza e a grandeza humana.

Em um trem de alta velocidade com destino à cidade de Busan, na Coréia do Sul, um vírus misterioso que transforma as pessoas em zumbis acaba se espalhando de maneira devastadora. A cidade de destino da locomotiva conseguiu com sucesso se defender da epidemia, mas até chegar lá eles deverão lutar pelas suas sobrevivências.


Zumbis sempre rendem bons filmes, e neste não é diferente, mesmo sendo oriundo de outro país, fora dos cinemas mais famosos do mundo.


Nem todos os filmes precisam seguir o mesmo roteiro de ser assustador para nos entreter. Colocando uma pitada de humor, coisas horripilantes e pessoas nada convencionais podem sim trazer uma boa trama.

Os Addams, uma família macabra, correm o risco de perder seu tesouro de moedas de ouro, pois Tully Alford (Dan Hedaya), um advogado desonesto de quem os Addams são clientes, está em sérias dificuldades financeiras. Como os credores de Alford, Abigail Craven (Elizabeth Wilson) e o filho Gordon (Christopher Lloyd) estão dispostos a fazer qualquer coisa para receber o dinheiro, o advogado tem uma idéia ao notar que Gordon é muito parecido com Fester, o irmão perdido de Gomez Addams (Raul Julia). Assim, Gordon finge ser Fester para tentar encontrar a fortuna de Gomez, Mortícia (Anjelica Huston), Vandinha (Christina Ricci) e Pugsley Addams (Jimmy Workmen). Mas o plano não é tão simples como parece, pois os Addams são uma família bastante peculiar.



José Alves indica: O Exorcista (1973, de William Friedkin) e O Sexto Sentido (1999, de M. Night Shyamalan)


Agora um filme que foi inspirado em uma história real, sendo assim um dos filmes mais vistos do cinema e, logicamente, nesta semana de halloween, não poderia ficar fora de nossa lista de indicações.

Em Georgetown, Washington, uma atriz vai gradativamente tomando consciência que a sua filha de doze anos está tendo um comportamento completamente assustador. Deste modo, ela pede ajuda a um padre, que também um psiquiatra, e este chega a conclusão de que a garota está possuída pelo demônio. Ele solicita então a ajuda de um segundo sacerdote, especialista em exorcismo, para tentar livrar a menina desta terrível possessão.


Vale ressaltar aqui a grande atuação de Linda Blair no filme e toda a equipe de maquiagem, efeitos visuais e especiais, além de toda a produção deste longa.


- Eu vejo pessoas mortas
- Com que frequência?
- O tempo todo!

Quem não conhece um dos diálogos mais famosos do mundo? O Sexto Sentido marcou a o fim da geração dos anos 90, pelo seu suspense e pelas atuações de Bruce Willis e Haley Joel Osment.

O psicólogo infantil Malcolm Crowe (Bruce Willis) abraça com dedicação o caso de Cole Sear (Haley Joel Osment). O garoto, de 8 anos, tem dificuldades de entrosamento no colégio e vive paralisado de medo. Malcolm, por sua vez, busca se recuperar de um trauma sofrido anos antes, quando um de seus pacientes se suicidou na sua frente.



Natália Vieira indica: A Noite dos Mortos Vivos (1968, de George A. Romero) e Zumbilândia (2010, de Ruben Fleischer)


Este é o filme mais antigo que está em nossa lista, porém é outro considerado clássico do gênero de terror, e claro, tem zumbis!

A radiação provocada pela queda de um satélite faz com que os mortos saiam de suas covas como zumbis comedores de gente, fazendo com que um grupo de pessoas refugiados em uma casa tenham que lutar pela sobrevivência contra uma horda sedenta de carne e sangue.


A Noite dos Mortos Vivos ainda ganharia uma 'nova versão', em 1985, denominada A Volta dos Mortos Vivos


Esse também segue o mesmo caminho de juntar comédia com terror, porém aqui a coisa aflora bem mais cômico, o modo de convivência em um ataque zumbi, neste caso, habitando com diversos deles. Zumbilândia é bom para quem quer assistir um filme que não tenha tanto apelo ao terror, mas com sua carga do gênero bem apresentável, em seus conceitos.

A população mundial foi dizimada devido a um vírus, variante do mal da vaca louca, que faz com que as pessoas se transformem em zumbis. Poucos são os humanos não infectados, entre eles Columbus (Jesse Eisenberg). Ele é um estudante da Univeridade do Texas, que deseja voltar para sua cidade natal na esperança de encontrar seus pais ainda vivos. Cheio de fobias, o maior medo de Columbus não são os zumbis, mas os palhaços. No caminho ele encontra Tallahassee (Woody Harrelson), que está indo para a Flórida com o objetivo de aniquilar o maior número possível de zumbis. Columbus pega uma carona com ele. Ao parar em uma mercearia, a dupla enfrenta três zumbis e encontra duas garotas, Wichita (Emma Stone) e sua irmã caçula Little Rock (Abigail Breslin). Só que Little Rock aparenta ter sido mordida por um zumbi, o que divide o grupo sobre o que fazer.




Lívia Martins indica: Madrugada dos Mortos (2004, de Zack Snyder) e Pânico (1997, de Wes Craven)


A formula de sucesso não para! Madrugada dos Mortos é um dos melhores filmes de terror neste século e, logicamente, também é um dos melhores sobre essa praga dos zumbis.

Os zumbis desejam dominar uma cidade de Wisconsin e começam a atacar as pessoas. Ana (Sarah Polley) é uma jovem enfermeira, que consegue escapar do ataque deles e é ajudada pelo policial Kenneth (Ving Rhames). Juntos eles encontram abrigo em um shopping center, onde outros sobreviventes estão escondidos. Lá os zumbis não conseguem entrar e eles conseguem ter uma vida razoavelmente normal. Mas a situação piora quando começa a faltar energia e comida, o que faz com que eles tenham que sair do abrigo para conseguir sobreviver.


Este foi o primeiro trabalho do diretor Zack Snyder, famoso atualmente por dirigir os filmes da DC Comics.


Pânico não teve apenas um filme, mas sim quatro e consolidando o sucesso de sua franquia. O famoso vilão marcou os anos 90, com sua máscara Scream, nome original do filme. Não é a toa que podemos encontrar ela em qualquer ocasião festiva relacionadas ao tema terror ou até mesmo em carnavais e festas fantasias.

Sidney Prescott (Neve Campbell) começa a desconfiar que a morte de dois estudantes está relacionada com o falecimento da sua mãe, há cerca de um ano. Enquanto isso, os jovens da pacata cidadezinha começam a receber ligações de um maníaco que faz perguntas sobre filmes de horror. Quem erra, morre. As perguntas seguem uma lógica que será desvendada numa grande festa escolar.


Paulo Brandão indica: Mãe! (2017, de Darren Aronofsky) e Possessão (1981, de Andrzej Zulawski)


Mãe! é uma daquelas obras que com certeza renderam muitos debates. Os críticos ainda estão divididos em suas opiniões, mas para o público em geral, o filme conseguiu atender as expectativas, sendo um dos melhores trabalhos do cinema, em 2017.

Um casal vive em um imenso casarão no campo. Enquanto a jovem esposa (Jennifer Lawrence) passa os dias restaurando o lugar, afetado por um incêndio no passado, o marido mais velho (Javier Bardem) tenta desesperadamente recuperar a inspiração para voltar a escrever os poemas que o tornaram famoso. Os dias pacíficos se transformam com a chegada de uma série de visitantes que se impõem à rotina do casal e escondem suas verdadeiras intenções.


Mãe! ficará marcado na vida do diretor, Darren Aronofsky, pela sua ousadia e loucura da filosofia do filme. O suspense, entretanto, segue em cartaz em alguns cinemas.


Agora uma produção européia, em nossa recomendação. A Possessão, um drama/terror que vai deixar-los com a pulga atrás da orelha, por toda história transcorrida!

Após retornar de uma longa viagem, tudo que Marc quer é encontrar sua esposa Anna e seu filho novamente. No entanto, assim que chega à Berlim, Marc percebe que Anna mudou radicalmente de comportamento e, assim que pode, ela pede o divórcio. O homem inicialmente suspeita que Anna foi infiel a ele; contudo, os eventos dão uma guinada sinistra e Marc percebe que está em uma situação macabra.




Jônatas Iwata indica: Uma Noite Alucinante 2 (1987, de Sam Raimi) e A Babá (2017, de McG)


Se até Stephen King é fã da franquia, não tem como esse filme não ser um bom longa. Uma Noite Alucinante 2 é considerado por muitos fãs, o melhor filme da franquia.

Ash (Bruce Campbell) leva sua namorada Linda (Denise Bixler) até uma casa abandonada, onde encontra uma fita de áudio abandonada por um professor. Ash coloca a fita para tocar, ouvindo citações do livro dos mortos. Os encantamentos despertam as forças do mal na floresta ao lado, que transformam Linda em um monstruoso Deadite. O objetivo é fazer o mesmo com Ash, mas ele recebe a ajuda da filha do professor, de um mecânico que trabalhava com ele e sua namorada.


Sam Raimi cogitou a hipótese de um quarto filme, porém o projeto não seguiu em frente.


O primeiro filme, da gigante Netflix, que aparece em nossa lista de recomendados. Seguindo os mesmos padrões de filmes já citados aqui, A Babá consegue misturar terror e comédia, quebrando um pouco o gelo do medo que o trama pondera.

Cole (Judah Lewis) é loucamente apaixonado por Bee (Samara Weaving), sua babá. Até que o garoto acaba descobrindo que ela na verdade é uma assassina adoradora do Diabo. Com isso, para que não revele o segredo, Cole está na mira da babá e seus amigos.


Fagner Ferreira indica: Navio Fantasma (2001, de Steve Beck) e A Órfã (2009, de Jaume Collet-Serra)


Quase não vemos Navio Fantasma ser recomendado em listas de filmes de terror. A crítica o escracha, porém a essência em sua história pode conquistar o público que o assiste. Não espere por tanto terror, o suspense é o carro chefe da trama, com sustos e personagens que conseguem nos cativar.

Sean Murphy (Gabriel Byrne) é o capitão da equipe de resgate Artic Warrior, formada pela chefe de equipe Maureen Epps (Julianna Margulies), pelo contramestre Greer (Isaiah Washington) e os técnicos Santos (Alex Dimitriades), Dodge (Ron Eldard) e Munder (Karl Ulban). A principal tarefa do Artic Warrior é encontrar e trazer até a costa navios perdidos ou com problemas em alto-mar. Em uma de suas viagens pela costa do Alasca eles encontram os destroços de um lendário navio italiano que está desaparecido há 40 anos. Porém, o que eles não sabem é que agora o navio é habitado por um ser mortal, que coloca a vida de todos no Artic Warrior em perigo.



O filme foi orçado em apenas 35 milhões de dólares, na época, e conseguiu ter um ótimo resultado nas telonas dos cinemas, mesmo não tendo impactado tanto na mídia.


Para encerrar nossa lista, recomendamos A Órfã, um dos filmes mais aclamados pelos críticos, ainda mais pela a grande atuação da pequena criança, na época, Isabelle Furhman. A trama consegue te prender do início ao fim, com todos os relatos apresentados, cercados de mistérios e uma protagonista enigmática.

Kate (Vera Farmiga) e John Coleman (Peter Sarsgaard) ficam arrasados devido a um trágico aborto. Apesar de já ter dois filhos, Daniel (Jimmy Bennett) e a surda muda Maxime (Aryana Engineer), o casal decide adotar uma criança. Durante uma visita a um orfanato, os dois se encantam pela pequena Esther (Isabelle Fuhrman) de nove anos e optam rapidamente por sua adoção. O que eles não sabiam é que estranhos acontecimentos fazem parte do histórico da menina que passa a se tornar, dia após dia, mais misteriosa. Intrigada, Kate desconfia que Esther não é quem aparenta ser, mas devido ao seu passado de alcoolismo tem dificuldades de provar sua teoria.


E assim encerramos nossas recomendações para a semana do medo! Aprecie sem moderação todos os filmes e não deixe de comentar em nossas redes sociais!











































Fagner Ferreira

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário