Crítica: Amor, Paris e Cinema (2015)


Amor, Paris e Cinema é um filme francês de 2015, dirigido, roteirizado, produzido e atuado por Arnaud Viard, já conhecido por Paris Pode Esperar (2016). Apesar de ter sido lançado em 2015 na França e em alguns outros países, Amor, Paris e Cinema chegou ao Brasil este ano, assim como o outro filme de sucesso de Viard. 



A obra é uma dramédia que se inicia cheia de piadas e cenas engraçadas. Arnaud interpreta a si mesmo, um cineasta em crise de inspiração, que deseja com todas as forças lançar seu segundo filme, mas nenhuma de suas ideias agrada a seu produtor. Como Arnaud está passando por problemas de ereção em seu relacionamento com Chloe, interpretada pela sempre magnífica e graciosa Irene Jacob – atriz que nos encantou, também, em A dupla vida de Verónique –, decide fazer um filme sobre um homem que brocha. Esse plot rende vários momentos risíveis, como a cena em que Arnaud frequenta um coach sexual. 


No entanto, nem tudo é piada no filme. Amor, Paris e Cinema trata de algumas questões importantes para o mundo da arte, como, por exemplo, as dificuldades encontradas por aqueles que lutam para fazer parte dele. Arnaud está cheio de dívidas e não consegue seguir unicamente com sua carreira de ator e diretor de cinema, precisando dar aulas de teatro para sobreviver. O filme também aborda a depressão e o luto. Nesse sentido, apesar de conter cenas engraçadas, Amor, Paris e Cinema começa a ser mais um drama a partir de determinado momento da exibição, o que é reafirmado pela fotografia em tons neutros, azulados e escuros. 

O fato de Arnaud interpretar a si mesmo traz para o filme o debate sobre os limites entre ficção e realidade, assunto abordado recentemente no brasileiro Vermelho Russo. Arnaud interpreta Arnaud em uma jornada que provavelmente foi aquela vivida por ele para conseguir lançar seu segundo filme. Dessa maneira, o filme desperta a curiosidade no espectador para saber o que da obra realmente aconteceu na vida de Arnaud. 


Apesar de sua parcela dramática, Amor, Paris e Cinema não é um filme pesado nem tem um final triste. A obra traz a mensagem positiva de que obstáculos podem ser superados para alcançarmos nossos objetivos e que, mesmo com algumas infelicidades ao longo de nossos dias, como uma família distante e a falta de libido, podemos ter um final feliz. Logo, se você está à procura de um filme positivo e que proponha entreter, Amor, Paris e Cinema é ideal. 

Título original: Arnaud fait son 2ème film

Direção: Arnaud Viard

Sinopse: Arnaud (Arnaud Viard), cineasta de 45 anos, planeja finalmente realizar o seu segundo filme. Porém, faltam ideias para tal: nenhum dos temas que ele pensou agradaram seu produtor. Enquanto isso, ele também almeja ter um filho com Chloe (Irène Jacob), a mulher de sua vida, mas com ela as coisas não andam. Decidido a mudar de vida, se separa dela e se torna professor em Florent, onde mudará de vida ao conhecer Gabrielle (Louise Coldefy).

Elenco: Irène Jacob, Arnaud Viard, Louise Coldefy




Trailer




Deixe seu comentário abaixo:

Bianca Pinheiro

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário